Home Coluna Opinião: O novo capítulo de uma relação conturbada
Coluna - Seleção Brasileira - 18 de abril de 2019

Opinião: O novo capítulo de uma relação conturbada

A aguardada primeira convocação da Seleção Brasileira feminina em 2019 saiu na noite desta quinta-feira. E o nome de Camila Brait foi uma das surpresas.

A líbero está afastada desde 2016, quando foi preterida antes da Olimpíada do Rio pela comissão técnica de José Roberto Guimarães (Léia foi a escolhida após uma performance melhor no extinto Grand Prix). Brait anunciou, via redes sociais, o encerramento do ciclo com a Amarelinha. Quatro anos antes, em Londres, Brait foi cortada já na Inglaterra, com Natália sendo mantida no grupo mesmo em recuperação física. Dois baques que fizeram a jogadora colocar a Seleção em segundo plano na carreira.

“Se o final é tão triste não significa que a caminhada não valeu a pena”, escreveu na ocasião.

Camila Brait, neste intervalo, viveu a experiência de ser mãe, voltou ao vôlei competitivo e tem demonstrado o alto nível dos seus melhores momentos. Atualmente não é nenhum exagero dizer que é a melhor da posição no país. Pela lógica do esporte, deveria sim ser convocada por mérito.

A boa fase, porém, não fez com que as mágoas do passado fossem totalmente superadas. Ainda não é oficial, mas Brait deve pedir dispensa da convocação de Zé Roberto. Talvez repita o discurso das últimas entrevistas, dizendo que priorizará o Osasco/Audax, seu clube, e a família. Uma forma educada para não dizer que ainda não engoliu as duas decepções olímpicas.

Brait em ação pelo Osasco/Audax (João Pires/FotoJump)

Para qualquer atleta de alto rendimento chegar tão perto de duas Olimpíadas e ficar fora aos 45 minutos do segundo tempo não é nada simples. Estamos falando do auge de uma carreira esportiva. É preciso entender o lado da líbero.

O que não entendo é não ter havido um entendimento prévio entre Brait e Zé Roberto antes do anúncio da lista de convocadas. Um novo pedido de dispensa só cria um desgaste maior para ambos, resgatando todo o histórico anterior, com suas mágoas e frustrações.

Torço, de verdade, para que os lados envolvidos entrem em acordo. Pelo bem do vôlei nacional.

Por Daniel Bortoletto

LEIA TAMBÉM

Um papo franco com a oposta Sheilla, que volta às quadras na próxima temporada

Adenízia pede afastamento da Seleção e deixa Tóquio-2020 em aberto

Um papo com Macris sobre Seleção, veganismo, ranking e futuro

+ Patrocínio do Sesc é renovado e time feminino começa a reconstrução

Seleção Masculina jogará em Cuiabá e Brasília na Liga das Nações

Bruninho exclusivo: “Cabeça do Leal encaixando com filosofia da Seleção”

Veja também

Após decepção em casa, duplas brasileiras jogam na China

As duplas brasileiras já têm mais um desafio pelo Circuito Mundial de vôlei de praia 2019.…