Home Superliga Canuto: “Travo uma luta diária comigo mesmo”
Superliga - 8 de novembro de 2018

Canuto: “Travo uma luta diária comigo mesmo”

Em fase final de recuperação, ponteiro do Vôlei Renata reforça trabalho físico

– Travo uma luta diária comigo mesmo.

É assim que o ponteiro Bruno Canuto, do Vôlei Renata, define seu processo de recuperação. O atacante sofreu uma lesão no joelho no aquecimento do primeiro jogo da temporada e desde então trabalha no Ginásio no Taquaral para voltar às quadras o mais rápido possível e reforçar o time campineiro na Superliga Masculina.

Canuto sofreu uma ruptura parcial no tendão patelar do joelho esquerdo ainda no aquecimento da partida contra Vôlei Ribeirão na semifinal da Copa São Paulo, primeiro torneio do calendário do Vôlei Renata. Operado pelos doutores Márcio Régis e Marcelo Krunfli, o ponteiro iniciou o processo de recuperação no começo de setembro.

Canuto com o fisioterapeuta do Vôlei Renata, Samuel Mamprin (Divulgação)

– Nenhum atleta gosta de escutar a palavra cirurgia. Cada dia é uma luta, principalmente com nós mesmos. Por isso, mais do que fisicamente, venho trabalhando a parte psicológica, de não desistir, de criar força para continuar, pensar que falta pouco. Cada dia que passa sei que estou mais perto da volta – comentou o jogador.

A evolução do ponteiro vem surpreendendo a equipe médica do Vôlei Renata. Passados pouco mais de dois meses da cirurgia, Canuto reveza o tempo de recuperação entre sessões de fisioterapia para fortalecimento muscular e treinos na quadra. O contato com a bola, mesmo que para fazer exercícios de mobilidade, é suficiente para renovar o ânimo do jogador.

– Sempre perguntava, no começo, quando podia tocar na bola, me movimentar na quadra, porque é complicado ir todo dia para o ginásio, ver a galera treinando e ficar só na fisioterapia. Bate aquela vontade de estar ali, treinar também. Só de ter o contato com a bola já é uma força para continuar – acrescentou.

– Dentro do protocolo de tratamento, a recuperação do Canuto está muito boa. Ele já tem amplitude muscular e força no membro, mas precisamos ter paciência para trabalhar. O enxerto ainda está em fase de cicatrização, então, em cerca de dez dias, vamos evoluir ainda mais e exigir uma sobrecarga dele. Estamos bastante satisfeitos com a evolução – comentou o fisioterapeuta-chefe do Vôlei Renata, Márcio Saraiva, que trabalha junto com o outro fisio, Samuel Mamprin, na recuperação do jogador.

Para diminuir ainda mais a “saudade”, Canuto faz questão de comparecer aos jogos do Vôlei Renata. No duelo contra o Minas, por exemplo, ele viajou para Belo Horizonte e esteve junto com a delegação campineira a maior parte do tempo.

– A recuperação está boa, adiantada, fica aquela ansiedade de voltar logo por estar ao lado do pessoal. Estou calmo, paciente, me concentrando em voltar bem para ajudar o time. Está sendo difícil, mas o final está mais perto do que longe – encerrou o ponteiro.

Com Canuto certamente na torcida, o Vôlei Renata segue trabalhando para o duelo contra EMS Taubaté Funvic, neste sábado, às 18 horas, no Ginásio do Taquaral, em Campinas. Os ingressos para a partida começam a ser trocados por um quilo de alimento não perecível nesta sexta-feira ao meio-dia.

Veja também

Governo de SP se pronuncia sobre o Ibirapuera

Depois de uma enxurrada de críticas e ameaça de acontecer um abraço presencial no Complexo…