Home Internacional Antes do último jogo do ano, Bruninho pede mudanças no calendário do vôlei
Internacional - 27 de dezembro de 2018

Antes do último jogo do ano, Bruninho pede mudanças no calendário do vôlei

Levantador do Civitanova usou as redes sociais para fazer "críticas construtivas"

O levantador Bruninho usou as redes sociais para fazer um pedido em nome dos atletas para as entidades que comandam o vôlei: racionalidade na montagem do calendário para os próximos anos.

O jogador do Civitanova citou na mensagem a Federação Internacional (FIVB), a Confederação Europeia (CEV), a Liga Italiana e a Confederação Brasileira (CBV), pedindo para que as entidades façam mudanças nas próximas temporadas em prol da “saúde” dos atletas.

“Domingo faremos o último jogo do ano. Agradeço a Deus por me dar saúde pra fazer aquilo que amo e ainda receber por isso. Me sinto abençoado. Mas não posso deixar de fazer uma crítica construtiva às entidades que controlam o nosso voleibol mundial. Um ano extremamente desgastante, com inúmeras viagens, jogos e campeonatos. Do clube pra seleção e vice-versa. Datas especiais, tipo Natal, passamos viajando e treinando. As lesões aumentam e nem sempre o espetáculo é o melhor pra todos. Que @fivbvolleyball @cevolleyball @legavolley @cbvolei e todos entendam que somos humanos e precisamos de um calendário que também veja o lado da saúde do atleta e não só as questões de negócios (business) ou dinheiro. Entendam que os atletas são os verdadeiros protagonistas de tudo isso. E que nós, atletas, possamos nos unir para mudar um pouco esse sistema! Um abraço e deus abençoe a todos”, escreveu o levantador da Seleção Brasileira.

A temporada 2018/2019 foi uma das mais desgastantes dos últimos tempos. E Bruninho é um “bom” exemplo para exemplificá-la. A primeira edição da Liga das Nações aumentou a quantidade de viagens. O Brasil, por exemplo, percorreu mais de 80 mil quilômetros.

Bruninho em ação na Itália (Divulgação)

Foram viagens para a Sérvia, retorno para o Brasil, ida para Rússia, Bulgária e Austrália, novo retorno para casa e depois a fase final na França. Foram quase duas voltas ao mundo.

2018 ainda foi ano de Mundial de Seleções na Bulgária e na Itália para os homens. Na volta para os clubes, início dos campeonatos nacionais e no caso de Bruninho viagem para a Polônia, onde o clube disputou mais um Mundial. Neste fim de ano, o Italiano não parou, com jogos no pós-Natal e na véspera do Réveillon.

No feminino, o Mundial de Seleções aconteceu no Japão e o de Clubes na China, aumentando bastante a quilometragem das viagens.

Para 2019, o calendário de Seleções será puxado mais uma vez. Além da Liga das Nações, o Brasil terá de disputar o Pré-Olímpico Mundial, o Campeonato Sul-Americano, a Copa do Mundo e o Pan-Americano do Peru.

Veja também

Santo André vira sobre o Vôlei Renata

Primeiro dia, primeira zebra. O Vôlei Renata, atual bicampeão do Campeonato Paulista, estr…