Home Internacional Cuba flexibiliza lei e pode voltar a ter atletas “desertores”
Internacional - 2 de dezembro de 2018

Cuba flexibiliza lei e pode voltar a ter atletas “desertores”

As principais potências do vôlei mundial poderão ganhar a companhia de um velho conhecido na briga por títulos internacionais em um futuro próximo.

Cuba está disposta a mudar uma regulamentação que atualmente impede atletas que atuem fora da ilha por clubes defendam a seleção. Hoje quem opta por carreira no exterior é obrigado a cumprir dois anos de quarentena do esporte, além da proibição do retorno ao selecionado nacional.

Os dirigentes admitem a utilização de atletas nas seleções masculina e feminina desde haja uma solicitação por parte dos jogadores interessados, para posterior aprovação após análise das circunstâncias da deserção.

Nos últimos anos, acelerou-se o pedido de dupla cidadania de vários destaques cubanos. Juantorena já defende a Itália, Leal estará disponível para a Seleção Brasileira em 2019, assim como Leon poderá atuar pela Polônia. Simon é outro em busca da cidadania canadense. Para eles, o retorno para a seleção de Cuba é impossível.

Para os mais jovens, vale lembrar os resultados de Cuba décadas atrás. No feminino, a geração de Mireya Luis foi tricampeã olímpica e mundial. Era a maior rival do Brasil na década de 90. Atualmente, a seleção cubana convive com escassez de talentos, ficando ausente das Olimpíadas de Londres-2012 e Rio-2016.

No masculino, o último grande resultado foi o vice-campeonato mundial em 2010, na Itália justamente com o time de Leal, Leon e Simon antes da debandada. No último Mundial, Cuba terminou na modesta 18ª colocação.

Veja também

Grade de transmissões da VNL masculina no Sportv

18 jogos estão previstos na grade de transmissões do Sportv 2 na terceira e última etapa d…