Home Mundial de Clubes O tremendo desafio de Minas e Dentil/Praia Clube
Mundial de Clubes - 6 de dezembro de 2018

O tremendo desafio de Minas e Dentil/Praia Clube

Desbancar duas seleções internacionais de primeiríssimo nível. Este será o imenso desafio de Minas e Dentil/Praia Clube de sexta a domingo, em Shaoxing, na China, no Campeonato Mundial de clubes.

Os dois representantes brasileiros terão pela frente Vakifbank e Eczacibasi, times turcos com algumas das melhores atletas do planeta em seus elencos.

Em um ranking das 10, 15 melhores jogadoras da atualidade, certamente estão Ting Zhu (CHN), Boskovic (SER), Sloetjes (HOL), Rasic (SER), Kim (COR) e Larson (EUA). E elas estão divididas pelos rivais das mineiras.

Na sexta, os duelos Brasil x Turquia definirão primeiro e segundo colocados de cada chave e consequentemente os confrontos das semifinais. O Minas, o classificado que mais oscilou nas duas primeiras rodadas, pegará o atual campeão Vakifbank. Sem patriotismo, jogará como azarão. Já Praia x Eczacibasi, em tese, deverá ser mais equilibrado. Talvez 60% a 40% nas casas de apostas de favoritismo para as europeias.

Como os vencedores de um grupo duelarão com os perdedores do outro na semi, a teoria coloca novamente Brasil x Turquia nas duas semifinais.

E existe alguma fórmula básica para desbancar os times de Giovanni Guidetti e Marco Aurélio Motta? Vai soar óbvio, mas algumas coisas são básicas:

– As linhas de passe precisam funcionar para que Macris e Lloyd tenham possibilidade de usar as centrais com frequência. Se as levantadoras ficarem correndo pela quadra para levantar de manchete o jogo pelas extremidades tende a ser bem mais complicado.

Minas terá trabalho contra o Vakifbank (FIVB Divulgação)

– Repita comigo: não errar contra-ataques. Não errar contra-ataques. Não errar contra-ataques…

– Zhu e Kim podem ser caçadas no saque sem dó, já que Larson e Robinson são especialistas no passe.

– Por mais que os resultados internacional do Brasil em 2018 no cenário internacional feminino sejam abaixo do esperado, ainda existem talento, competência e grandes jogadoras por essas bandas. Elas podem não estar no ápice físico e técnicos, mas continuam sendo Gabi, Fernanda Garay, Natália, Fabiana… E elas podem fazer a diferença.

E você? Acredita ser possível o lado verde-amarelo desbancar as potências turcas?

POR DANIEL BORTOLETTO

Veja também

Maique: “Estamos buscando identidade para o grupo”

A Seleção Brasileira masculina está na França fazendo os últimos ajustes para o Campeonato…