Home Destaques Bruna Honório: “Estou na melhor fase da minha carreira”
Destaques - Entrevista - 26 de fevereiro de 2019

Bruna Honório: “Estou na melhor fase da minha carreira”

Bruna Honório mudou de patamar no cenário nacional nesta temporada. As conquistas e a performance individual pelo Itambé/Minas fizeram a jogadora de 29 anos ganhar status de protagonista, mesmo tendo a companhia de atletas consagradas como Gabi, Natália e Carol Gattaz.

Dias depois de conquistar o Campeonato Sul-Americano, tendo sido eleita a melhor oposto da competição, Bruna falou com o Web Vôlei sobre o momento, as perspectivas para o restante da Superliga, Seleção Brasileira e o trabalho do italiano Stefano Lavarini.

Campeão estadual, da Copa Brasil, vice mundial e agora vencedor do Sul-Americano. Com um ano quase perfeito, como é lidar agora com o favoritismo para vencer também a Superliga?

Temos um time muito pé no chão,. Mesmo com todas as vitórias, sabemos que a Superliga é diferente. Um campeonato longo e que será a grande prova para nós. Sabemos que não podemos dar mole, achar que é fácil. É aí que corre o perigo. Tudo isso nos faz ficar mais concentradas ainda com qualquer tipo de favoritismo ou cobrança.

Sobre sua performance individual, acredita estar vivendo a temporada mais consistente da carreira? Em quais aspectos você acha que mais evoluiu?

Estou na melhor fase da minha carreira. Madura e constante. Com alguns anos no cenário, ganhei bagagem para hoje evoluir a cada momento nos treinos e jogos. Como sou uma oposto fora do comum, como muitos dizem, eu preciso ter um leque de golpes e uma atenção especial para isso. Vejo que está dando certo.

Com tamanha visibilidade e conquistas, aumenta sua ansiedade para ser convocada para a Seleção Brasileira?

Não aumenta minha ansiedade não, porque hoje tenho pés no chão e a minha prioridade é o Itambé/Minas. Penso apenas que se vier uma convocação ficarei muito feliz em poder defender o Brasil e dar o meu máximo, assim como faço no clube.

Após o título da Copa Brasil, publicamos uma matéria sobre o Lavarini. Uma das frases da Carol Gattaz foi: “Ele foi a melhor coisa que aconteceu ao Minas nos últimos dois anos”. O que você vê de diferente, de especial nele?

O Lavarini é extremamente inteligente e simples, então apenas fazendo um voleibol simples dentro das nossas possibilidades. O simples às vezes é a melhor opção. Ele realmente é um dos melhores técnicos com quem já trabalhei.

Bruna Honório carrega Bruninha na comemoração da Copa Brasil (Rodrigo Ziebell/CBV)

A Keyla Monadjemi disse na mesma matéria que no início do trabalho do Lavarini as jogadoras ficaram um pouco surpresas com os métodos dele, com treinos mais intensos, com a obsessão pela velocidade no estilo de jogo. Como foi para você o primeiro contato?

Ao mesmo tempo que é simples, realmente ele chegou colocando velocidade aos atacantes. Na saída era a minha melhor jogada para mim. Peguei bem. Agora na ponta tive um pouco de dificuldade, mas logo tudo se encaixou.

Macris é outra jogadora muito elogiada nesta temporada Vocês tiveram uma sintonia imediata no Minas?

A Macris tem uma visão de jogo, ela percebe o bloqueio e muitas vezes deixa todos as atacantes no simples, facilitando muito para a gente e isso é ótimo. No começo, até acertar a bola, tínhamos algumas dificuldades. Normal. Mas estou aqui para ajudá-la e ela para me ajudar. Sempre falo isso pra ela.

Se tivesse de resumir essa temporada em apenas uma palavra, qual seria?

Energia. Superação.

LEIA TAMBÉM

Renan fala sobre Seleção, Leal, futuro do Taubaté…

Confusões, expulsões e problema com juiz em jogo da Superliga B

Um papo com o campeão olímpico Bruno Schmidt

Mundiais de Clubes com formatos diferentes em 2019

O fim precoce das transmissões da TV Gazeta

Veja também

Brasil e França empatam em jogo-treino

As seleções masculina de Brasil e França disputaram um jogo-treino em Montpellier, nesta q…