Home Praia Carol Solberg e Maria Elisa faturaram título em Fortaleza
Praia - 24 de fevereiro de 2019

Carol Solberg e Maria Elisa faturaram título em Fortaleza

Na decisão, vitória sobre Ágatha e Duda por 2 sets a 0

A capital cearense já está nos corações da dupla Carol Solberg/Maria Elisa. Campeãs da etapa de Fortaleza (CE) do Circuito Brasileiro Open de vôlei de praia em 2018, elas repetiram o feito neste domingo, superando na final do torneio Ágatha e Duda por 2 sets a 0 (21/17, 21/17), em 43 minutos. Foi o primeiro título da dupla na temporada 18/19, acompanhado de perto por uma arena totalmente lotada no Aterro da Praia de Iracema.

Este é o terceiro título de etapa do Circuito Brasileiro Open da dupla, que soma também um título do Circuito Mundial. A medalha de ouro rende 400 pontos no ranking e um prêmio de R$ 45 mil para o time, que chega aos 1.320 pontos na classificação geral. Maria Elisa, que nesta segunda-feira completa 35 anos, celebrou o presente antecipado e elogiou o suporte da parceira Carol Solberg durante a decisão.

– Estou muito feliz com esse presente antecipado. A gente batalha tanto. Eu vou fazer 35 anos, e jogando contra meninas da nova geração, que estão em uma curva de crescimento absurda, como é o caso da Duda. O meu objetivo é tentar freá-las, o que é difícil. Estou trabalhando muito duro e estou me sentindo bem fisicamente. Minha parceira me ajuda muito. Nosso trabalho está dando resultado. Eu queria agradecer ao apoio que temos recebido de vários lados. A Confederação Brasileira de Voleibol (CBV), o Comitê Olímpico do Brasil (COB), os patrocinadores. Todos eles têm ajudado de alguma forma, e de uma forma uniforme, em conjunto para todos os times. Isso é importante para o esporte.

Se a dupla já soma dois ouros em Fortaleza, Maria Elisa chega ao quinto título na cidade. Ela também havia vencido em 2009 e 2011 com Talita, e em 2013, com Juliana. A resendense radicada no Rio de Janeiro explicou a relação especial com a torcida local.

– O povo de Fortaleza é maravilhoso, é um público que enche a arquibancada, que participa do jogo, grita contra, gruta a favor. É gostoso fazer um espetáculo para quem realmente quer. Eles esperam o ano todo para esta etapa. Tudo isso acontece porque por trás existe uma equipe muito boa. Estou feliz com o nosso Circuito. Estamos todos juntos tentando melhorar a cada dia que passa. Ano passado o país passou por uma crise, e sobrevivemos, sobrevivemos ganhando medalhas. Acredito que, de mãos dadas, conseguiremos colher bons frutos na próxima Olimpíada, que é o principal objetivo.

Tentativa de bloqueio de Carol Solberg (Ana Patrícia/Inovafoto/CBV)

Carol Solberg também comentou sobre um dos elementos principais ao atleta de alto rendimento. Assimilar derrotas e manter confiança e paciência no projeto. Ela lembrou que o período de um ano sem subir ao lugar mais alto do pódio no tour nacional não desmotivou o time e destacou o trabalho do técnico Luciano Kioday.

– Eu e a Maria fizemos uma temporada muito legal no ano passado, fomos campeãs gerais. Mas acabamos perdendo algumas finais e disputas de terceiro e quarto depois. Tem um significado muito especial conquistar este título. Na etapa passada estávamos longe do nosso melhor. A gente sempre entra nos torneios para ganhar, mas terminamos em quinto. Tivemos paciência ao voltar para casa e treinar, trabalhar o que não deu certo. E o Kioday é essencial nessa equipe, em manter o time alegre, focado. Ganhar uma etapa te dá um gás, uma confiança para seguir o caminho. Cada final eu aprendo muito e hoje jogamos bem. Estou muito feliz – completou a carioca, filha da ex-jogadora e técnica Isabel Salgado.

A medalha de prata rende prêmio de R$ 29 mil, 360 pontos no ranking e deixa Ágatha e Duda (PR/SE) com 1.360 pontos na classificação geral. Em Fortaleza (CE), as atuais campeãs do Circuito Mundial disputaram a terceira final seguida do tour nacional. A liderança do ranking geral após cinco etapas disputas é de Fernanda Berti/Bárbara Seixas (RJ), que soma 1.600 pontos na classificação. Restam ainda duas paradas, em Natal (RN) e João Pessoa (PB).

Na disputa da medalha de bronze, em um grande duelo, Talita e Taiana (AL/CE) levaram a melhor sobre Fernanda Berti e Bárbara Seixas (RJ) por 2 sets a 1 (19/21, 21/17 e 15/12). Taiana comemorou o pódio em sua cidade natal.

– Muito especial ganhar uma medalha em casa, é a oportunidade que minha família e meus amigos têm de me acompanhar de perto. A torcida passa a conhecer mais da minha carreira, como eu jogo. E jogar com a Talita é uma evolução a cada etapa, ela ainda está nesse período de transição, foi mãe recentemente e temos esse entendimento e paciência. A gente quer sempre mais, mas tendo consciência do tempo natural das coisas. É um bronze com gosto de ouro, por coroar esse trabalho de lapidar a dupla.

LEIA TAMBÉM

Expulsão de jogador, animador de torcida, problema de saúde do juiz. O jogo louco entre JF e Botafogo

+ Confira a seleção do Sul-Americano

Veja os números da final do Sul-Americano Feminino de Clubes

MVP, Carol Gattaz elogia o time e o Minas: “É uma honra vestir essa camisa”

Um papo com o campeão olímpico Bruno Schmidt

Mundiais de Clubes com formatos diferentes em 2019

Veja também

Flávio admite viver momento especial da carreira

Aos 29 anos, Flávio vive um dos melhores momentos da carreira. O meio de rede defenderá o …