Home Vaivém Vaivém: Renan rebate Castellana Grotte após rescisão e mudança para a Turquia
Vaivém - 9 de fevereiro de 2019

Vaivém: Renan rebate Castellana Grotte após rescisão e mudança para a Turquia

Brasileiro se defende após clube soltar nota oficial sobre saída

O oposto brasileiro Renan Buiatti usou as redes sociais para explicar a saída do Castellana Grotte, lanterna do Campeonato Italiano sem nenhuma vitória, e o acerto com o Sorgun Belediyespor, da segunda divisão da Turquia.

A resposta de Renan foi endereçada ao time italiano, que em nota oficial tratou a saída dela como certo desdém, dizendo que ele teve atuações abaixo da expectativa antes de “abandonar o barco”.

– Foi uma temporada difícil. As vitórias não vieram conforme desejávamos, mas tenho absoluta certeza que dei meu máximo em todos os treinos e jogos, e mesmo lesionado consegui atuar – escreveu o oposto.

Na sequência, ele fez sérias acusações ao Castellana Grotte, alegando atrasos de salários e ameaça de cobrança de multa no momento do pedido de rescisão.

– Cheguei em Castellana em agosto de 2018 e assim que iniciou a temporada, os salários começaram a atrasar. Tenho família e compromissos financeiros , e sem os salários em dia fica tudo mais difícil. Chegamos em janeiro com somente dois salários recebidos desde o início da temporada e sem qualquer previsão para os recebimentos em atraso, sendo que a rotina de trabalho e jogos nunca pararam – revelou, antes de completar.

– No dia 9 de janeiro fui notificado pelo Castellana, alegando que queriam rescindir o meu contrato, e me pagar apenas 50% do valor total! Este ato do clube foi totalmente ilegal e injusto. Mesmo assim, decidi ficar para ajudar meus companheiros de equipe que estavam lutando para se manterem vivos no campeonato. Assim, após mais três jogos, onde lutamos bravamente e tive ótimas performances, recebi uma oferta da Turquia para me transferir imediatamente. Como o Castellana já havia me notificado para a rescisão contratual, pedi para reverem a possibilidade de pagamento do meu contrato ou a minha liberação, o que me foi negado. Além disso, o que mais me aterrorizou foi que, além dos 50% que me tiraram, me impuseram um valor de multa para eu pagar como condição para obter a minha carta liberatória. Fiquei muito decepcionado com essa atitude da direção do clube e nesse momento decidi ir à Turquia, porque não se pode lutar e vestir uma camisa para um clube que trata seus atletas dessa maneira.

O desabafo termina com uma revelação de uma situação acontecida após a saída da Itália:

– E eu não fui o único a ser prejudicado. Dois dias após eu sair da Itália, o presidente do time teve uma reunião com todos os atletas de Castellana e disse que haverá corte de salário para todos até o final da temporada. Diante da verdade que eu narro aqui, fica fácil saber agora quem foi injustiçado e abandonado, certo?

Renan chegou a ser o quinto maior pontuador do Campeonato Italiano, terminando duas rodadas como o maior anotador.

LEIA TAMBÉM

Mundo do vôlei se solidariza com tragédia no CT do Flamengo

Entrevista exclusiva com a russa Kosheleva

Minas Gerais prestes a ser anunciada como sede do Pré-Olímpico

Coluna do editor Daniel Bortoletto: O calendário precisa ser revisto

As definições dos Sul-Americanos feminino e masculino em BH

Mari e Jaque juntas na praia? Campeãs olímpicas não descartam

Veja também

Mudança na data de Osasco x Curitiba pela Copa Brasil

Osasco/São Cristóvão Saúde e Curitiba não entrarão em quadra, na próxima terça-feira, no J…