Home Superliga Itambé/Minas já trabalha planejamento para 2020 contando com Lavarini
Superliga - Vaivém - 24 de março de 2019

Itambé/Minas já trabalha planejamento para 2020 contando com Lavarini

Renovação de contrato não foi assinada, mas otimismo é grande em BH

No jornalismo esportivo, a surrada frase “Só falta assinar” já foi usada tantas vezes que virou clichê. Ela, porém, pode ser utilizada para resumir a relação entre Itambé/Minas e Stefano Lavarini para a próxima temporada.

O clube já demonstrou o interesse na permanência, as primeiras conversas foram positivas e uma das principais preocupações foi resolvida, a ponto de o planejamento para a temporada 2019/2020 já ter sido iniciado antes mesmo do novo vínculo estar assinado.

Nas conversas iniciais entre diretoria e o técnico italiano, a questão “Coreia do Sul” foi abordada. Lavarini assumirá a seleção feminina do país asiático ao término da Superliga, em busca da classificação olímpica para Tóquio-2020. E ela não é entrave. A Federação coreana não exige exclusividade e o calendário internacional, apesar de muito extenso, permite a um treinador conciliar clube com seleção.

O ponto que faz Lavarini mais refletir antes de assinar a renovação é a diminuição do tempo que ele terá para estar com a família na Itália. Sem a Coreia do Sul, ele tinha a possibilidade de passar pelo menos dois meses por ano com a mãe e o irmão. O novo compromisso profissional, porém, diminuirá drasticamente esse tempo.

Em conversa com o Web Vôlei, em Gramado, após a conquista da Copa Brasil, Lavarini comentou sobre essa questão pessoal ao fazer a escolha de dirigir o Minas, na temporada passada.

– Não sei se a maioria das pessoas entende ficar longe de tudo, da família, da casa, mudar a própria vida. Eu escolhi aproveitar essa oportunidade. O pensamento é como qualquer desafio: ou você pega e encara como qualquer desafio ou volta pra casa. Poderia ser o técnico de um time ali perto da minha casa, ficar perto, aproveitar a família. Poderia aproveitar a minha mãe, eu já estou sem pai, só com um irmão, que precisaria da ajuda de um irmão mais velho. Então estou largando tudo isso, não posso parar na frente de nenhuma oportunidade. Podem acontecer derrotas, fracassos, mas tudo isso me move para chegar mais longe possível – disse o italiano.

Lavarini já levou o Minas a três títulos na temporada (Orlando Bento/MTC)

Não imagino que haverá qualquer oficialização nos próximos 30 dias. Minas e Lavarini entram no principal momento da temporada: a reta final da Superliga. O Itambé/Minas já é semifinalista e aguarda a definição do rival (Osasco/Audax ou Hinode/Barueri) para a busca por um lugar na decisão. O título, que não conquistado pelo clube desde 2001/2002, é o grande sonho de consumo, por isso todos no Minas tentam manter 100% do foco para a Superliga. Isso, porém, não impedirá o início da construção do Itambé/Minas 2019/2020, hoje com a quase certeza do fico do treinador.

Por Daniel Bortoletto

LEIA TAMBÉM

Com 25 pontos de Wallace, Sesc RJ bate o Fiat/Minas e sai na frente nos playoffs

EMS/Taubaté vence o Vôlei Renata e abre 1 a 0 nas quartas de final

Sesc RJ passeia sobre o Sesi/Bauru e adia decisão para terça-feira

Com uma virada espetacular, Osasco bate o Barueri e força o terceiro jogo

+ Itália domina semifinais da Champions, com quatro dos oito times classificados

 

Veja também

Fluminense: aposta em elenco alto, jovem e agressivo

Primeiro campeão brasileiro de vôlei feminino, em 1976, e seis vezes campeão sul-americano…