Home Superliga Fim do jejum! Itambé/Minas conquista a Superliga Feminina após 17 anos
Superliga - 26 de abril de 2019

Fim do jejum! Itambé/Minas conquista a Superliga Feminina após 17 anos

De virada, time de BH superou o Dentil/Praia Clube, por 3 sets a 1, em Uberlândia

Campeão Mineiro, da Copa Brasil, do Sul-Americano e agora da Superliga Cimed Feminina 2018/2019. A fantástica temporada 2018/2019 do Itambé/Minas foi concluída, nesta sexta-feira, com chave de ouro.

Com um bloqueio da central e capitã Carol Gattaz, no Ginásio Sabiazinho, em Uberlândia (MG), diante de mais de 6 mil torcedores, o time do técnico italiano Stefano Lavarini derrotou o então campeão da Superliga, Dentil/Praia Clube, por 3 sets a 1, de virada – parciais de 17-25, 25-23, 25-14 e 28-26 -, fechando o playoff final em melhor de três em 2 a 0.

O título encerrou um jejum de 17 anos. Foi a primeira conquista de Superliga do Minas desde a temporada 2001/2002. Uma longa espera para a fanática torcida, que agora pode soltar o grito preso por tanto tempo na garganta. E com direito a uma “quádrupla coroa”.

Minas não conquistava a Superliga desde 2002 (Gaspar Nóbrega/Inovafoto)As minastenistas venceram o primeiro confronto do playoff, domingo passado, no Mineirinho, por 3 sets a 2, levando alguns sustos. O time fez 2 a 0 diante da sua torcida, mas viu o Praia empatar, vencendo os dois sets seguintes por 25 a 17 e levar a decisão para o tie-break. Na quinta parcial, as donas da casa dominaram as rivais, vencendo por 15 a 6, fazendo 1 a 0 na série.

No final do primeiro set da partida e Belo Horizonte, a ponteira Fernanda Garay torceu o tornozelo direito e deixou a quadra sentindo muitas dores. Apesar de ter feito tratamento durante toda a semana, ela não se recuperou em tempo e assistiu ao jogo do banco de reservas, com o pé imobilizado por uma bota ortopédica. No lugar da sua principal ponteira, o técnico Paulo Coco escalou Rosamaria. Michelle foi a outra ponteira.

Natália, do Minas, foi a maior pontuadora do jogo, com 23 pontos, e faturo o Troféu VivaVôlei. Outro destaque do time foi a também ponteira Gabi, que virou bolas impossíveis nos momentos decisivos, terminando a partida com 17 acertos. Carol Gattaz marcou 12, Mara, 8, Bruna Honório, 6, Malu 3, Macris 2 e Mayany, 1.

Michelle foi a maior pontuadora do Praia, com 16 pontos (Gaspar Nóbrega/Inovafoto)

Pelo lado do Praia, os destaques foram Michelle, maior pontuadora do time, com 16 pontos, seguida por Rosamaria, com 14. Fabiana marcou 15, Carol, 11. O destaque negativo ficou por conta da oposta norte-americana Fawcett. Destaque do primeiro confronto, com 30 pontos, ela marcou apenas 8, com 18% de aproveitamento, errando bastante e sendo substituída por Paula Borgo nos sets.

“foi uma temporada difícil, de muitos jogos, muitos campeonatos, só a gente sabe o quanto sofreu. Sabíamos que não seria fácil vencer o Praia aqui. Começamos o jogo mal, sentimos dificuldade no primeiro set, mas a gente sabe o nosso poder de reação, da força do nosso time. Esse é o nosso espírito, da primeira a última jogadora do banco. Parabéns ao grupo, que teve a cabeça no lugar e manteve a consciência para virar a partida e ser campeão”, disse Natália.

Natália e Gabi não deverão ficar no Itambé/Minas na próxima temporada. A camisa 10 tem proposta do Vakifbank, da Turquia, e a camisa 12 é pretendida pelo também turco Eczacibasi. “Quam sabe vamos jogar juntas mais uma temporada?”, brincou Gabi, que explicou. “Eu tenho contrato com o Minas até o fim de maio. Agora é hora de comemorar esse título. Não conseguimos comemorar os outros, porque era uma competição atrás da outra, viagem, já tinha jogo. Agora, não, vamos festejar”, disse Gabi.

O Minas conquistou quatro títulos em cinco competições disputadas na temporada (Gaspar Nóbrega/Inovafoto)

O jogo

O primeiro set foi uma cópia das terceira e quarta parciais da partida em Belo Horizonte, com um apagão geral do lado minastenista. Com o saque pressionando demais o passe das visitantes, o Praia abriu vantagem logo no início e jogou solto.

O bloqueio voltou a pontuar demais. A diferença foi a presença ofensiva de Rosamaria e Michelle, enquanto no outro confronto Fawcett quase monopolizou a pontuação. Pelo lado mineiro, Macris esteve longe das grandes atuações da temporada, mostrando-se imprecisa em vários levantamentos.

Natália foi a maior pontuadora da partida, com 23 pontos (Gaspar Nóbrega/Inovafoto)

O Minas começou em vantagem no segundo set, mas viu a reação do Praia acontecer após passagem de Michelle pelo saque e um bloqueio de Rosamaria em Mara. Stefano Lavarini então fez uma troca simples no levantamento (Bruninha no lugar de Macris) e pouco depois fez o mesmo na saída (Mara na vaga de Bruna Honório). Com as reservas, a equipe de BH tirou uma diferença de três pontos e contou com um momento de instabilidade de Fawcett (dois bloqueios tomados, um erro de ataque e outro de saque) para virar. O empate no jogo aconteceu já com Macris de volta ao time.

Já o terceiro set parecia o tie-break do jogo 1. O Praia sentiu demais o início avassalador do rival, viu o passe sucumbir, o ataque quase não passava mais pelo block e uma longa vantagem foi construída pelas visitantes. Paulo Coco trocou Lloyd por Ananda, Michelle por Ellen, Fawcett por Paula, Rosamaria por Lais… Mas a diferença no placar, que chegou a nove pontos na metade da parcial, não tinha mais como ser tirada. Um verdadeiro passeio minastenista para fechar em 25 a 14.

Macris oscilou durante a final (Gaspar Nóbrega/Inovafoto)

O quarto set, como esperado, foi tenso. O Praia incendiou o ginásio logo no início, após um longo rally, com belas defesas. Com 3 a 1 no placar, Lavarini pediu tempo.  Logo depois, recolocou Bruna Honório em quadra no lugar de Malu. E instantes depois viu a capitã Carol Gattaz sentir câimbras nas panturrilhas e ser substituída por Mayany. O 7 a 4 a favor do time de Uberlândia parecia ser o início de um domínio.

Mas, em um piscar de olhos já estava 9 a 8 para o Minas, após o desafio corrigir uma marcação da arbitragem após ataque para fora de Michelle. O Praia, sem Fernanda Garay, lesionada, sentiu falta da americana Fawcett, maior pontuadora do primeiro jogo, e apagada no segundo. Aos poucos o Minas foi construindo boa vantagem, calando a maioria do Sabiazinho e se aproximando do caneco.

Brioso, o Praia reagiu aos gritos de “Eu acredito”, chegou a cortar a diferença para um pontinho, até empatar em 21 a 21 após ataque da capitã Fabiana, virar com ace de Carol e abrir frente com um bloqueio. O fim da parcial foi emocionante, com Gabi virando algumas bolas decisivas até Gattaz, de volta após as cãimbras, fechar no bloqueio em 28 a 26.

Dentil/Praia Clube: Lloyd, Fawcett, Rosamaria, Michelle, Carol, Fabiana e Suelen (líbero). Entraram: Lais, Ananda, Paula Borgo, Ellen.

Técnico: Paulo Coco.

Itambé/Minas: Macris, Bruna Honório, Natália, Gabi, Carol Gattaz, Mara e Léia (líbero). Entraram: Bruninha, Georgia, Malu, Mayany.

Técnico: Stefano Lavarini

A capitã Carol Gattaz beija a taça (Gaspar Nóbrega/Inovafoto)

CLASSIFICAÇÃO FINAL DA SUPERLIGA:

1º – Itambé/Minas (MG)
2º – Dentil/Praia Clube (MG)
3º – Osasco-Audax (SP)
4º – Sesi Vôlei Bauru (SP)
5º – Sesc RJ
6º – Hinode Barueri (SP)
7º – Fluminense (RJ)
8º – Curitiba Vôlei (PR)
9º – Pinheiros (SP)
10º – São Cristóvão Saúde/São Caetano (SP)
11º – BRB/Brasília Vôlei (DF)
12º – Balneário Camboriú (SC)

LEIA TAMBÉM

+ Confira a relação de todos os campeões da Superliga Feminina da história

+ Campeão Minas domina a Seleção da Superliga

+ Lavarini fala em “encontro de almas” para explica sucesso do Minas

Campinas receberá amistosos da Seleção masculina

Civitanova bate o Trentino e é o primeiro finalista do Italiano

Após críticas por ter pedido dispensa da Seleção, Gabi Cândido revela ter síndrome do pânico

Lukinha, ex-líbero do Vôlei Renata, vai para o lugar de Serginho no Sada/Cruzeiro

Rizola relembra título e batalha contra o BCN na final da Superliga 2001/2002

Veja também

Brasil leva virada na Copa Pan-Americana

A quarta-feira (10/8) não foi marcada pela reabilitação do Brasil na Copa Pan-Americana, e…