Home Destaques Ranking da CBV deve tirar Thaisa do Brasil
Destaques - Superliga - 2 de abril de 2019

Ranking da CBV deve tirar Thaisa do Brasil

A central Thaisa sempre deu preferência por permanecer no Brasil, mas duas propostas para atuar no vôlei asiático podem fazer com que ela saia do país mais uma vez. O motivo: a manutenção do ranking para atletas de sete pontos para a temporada 2019/2020.  

A decisão tomada em reunião entre dirigentes da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) e representantes de nove dos 10 primeiros clubes da fase classificatória da Superliga pode resultar ainda na transferência de outras jogadoras.

– Já sei que algumas poderão ir para fora. Tenho propostas para ir também. Tudo vai depender de ter espaço ou não nos clubes daqui do Brasil – afirmou Thaisa. Em 2016, ela viveu o mesmo impasse, e acabou se transferindo para o Eczacibasi Vitra, da Turquia.

– Muita gente, que se acha bem informada, falou que eu estava indo por dinheiro. Mas não foi nada disso. Saí porque tinha um contrato de dois anos e que foi rompido após a primeira temporada. No meu caso, com sete pontos, não tinha praticamente opção para me encaixar em algum clube brasileiro.

O sistema de ranking foi implantado pela CBV na temporada 1992/1993, e ao longo dos anos vem sofrendo mudanças. Dessa vez, para a próxima Superliga feminina, cada clube poderá inscrever no máximo duas atletas de sete pontos, além de duas estrangeiras.

– A CBV deu esse poder aos clubes que, por sua vez, só pensam em enfraquecer e desmontar os outros times. Daí tira o direito de uma atleta ir para uma determinada equipe para enfraquecer quem pode mantê-la em seu elenco. A partir disso, nós somos obrigadas a sair do país ou receber 60% menos – explicou Thaisa.

– E a maioria desses clubes que vota a favor da manutenção do ranking, não tem nem condições de contratar essas jogadoras de sete pontos – completa.

Machismo

As dez atletas que fazem parte do ranking de sete pontos se posicionaram em suas redes sociais, e o machismo foi a palavra mais usada por elas.

– Sim, porque a partir do momento em que a CBV finalizou o ranking para o masculino, deveria ter acabado também para o feminino para ser igual. É machismo no esporte? – disse Thaisa.

LEIA TAMBÉM

Carlos Schwanke fala sobre os sete anos no Oriente Médio

João Rafael fecha com time do Qatar

Itambé/Minas já trabalha 2020 contando com fico de Lavarini

Leal é destaque em vitória do Civitanova nos playoffs

Tabela das semifinais da Superliga masculina

Fiat/Minas já tem reforços para 2019/2020

Veja também

Mineiro masculino: divulgados os oito participantes

A Federação Mineira anunciou, nesta terça-feira, os oito participantes do Estadual masculi…