Leal
Home Coluna Coluna: Vai começar a era Leal na Seleção Brasileira
Coluna - Seleção Brasileira - 25 de maio de 2019

Coluna: Vai começar a era Leal na Seleção Brasileira

O ponta Leal se juntará ao grupo na próxima semana após longo processo

O Leal já pode ser convocado? Quando o Leal vai estrear pela Seleção Brasileira? O Leal já não deveria estar na lista? Qual o motivo para o Leal não jogar?

Perdi a conta de quantas vezes respondi perguntas assim de fãs do vôlei nos últimos anos. Por e-mail, nas redes sociais ou em encontros em ginásios país afora. A ansiedade dos torcedores para ver o cubano naturalizado com a camisa verde-amarela está prestes a terminar. Nesta segunda-feira, Leal irá se apresentar ao técnico Renan Dal Zotto em Katowice, na Polônia. Serão três dias de preparação para a primeira rodada da Liga das Nações, contra os Estados Unidos, na sexta, às 12h30 (de Brasília).

Foram quatro longos anos desde o processo de naturalização até o fim da quarentena de duas temporadas imposta pela Federação Internacional para um atleta poder defender uma segunda seleção. Se a expectativa da torcida é grande (e há tempos), fico imaginando como foi difícil para Leal esperar.

Durante esse tempo, ele conquistou todos os títulos possíveis pelo Sada/Cruzeiro, jogou ao lado de parte dos futuros companheiros de Seleção Brasileira e contra o restante. Na última temporada, mudou-se para Civitanova, na Itália. Lá, teve Bruninho como parceiro de equipe, conselheiro e também mensageiro. Foi apresentado às regras do grupo e, mesmo à distância, iniciou um processo de “aclimatação”. Para Renan, a convivência de Leal com o capitão da Seleção é apontada como “muito importante” para acelerar a integração dele ao elenco.

No discurso do técnico e dos jogadores, chama a atenção alguns pontos ressaltados por vários deles: “Falta a adaptação ao modelo de treino e o conhecimento da gestão do trabalho. algo que apenas o dia a dia resolverá. E saber que ele chega para somar, não para decidir sozinho”. Já vejo alguns deles brincando com o novato, dizendo que o ponta passará pelos trotes, terá de carregar mochilas, água, bolas, algo que os mais jovens fazem quando chegam. No caso de Leal, fará aos 30 anos.

Leal ganhou tudo com a camisa do Sada/Cruzeiro (Divulgação)

Contra os Estados Unidos, Leal estará entre os 14 inscritos. Não imagino que seja escalado como titular logo de cara. Após os dois amistosos contra o Canadá, em Campinas, aposto numa dupla de ponteiros com Lucarelli e Douglas Souza, os dois campeões olímpicos da posição no elenco. Lucas Lóh é o outro da posição, uma vez que Rodriguinho ficará treinando em Saquarema. Vai ser preciso esperar Renan olhar para o banco, apontar para o camisa 9 e chamá-lo para a estreia.

TEXTO DE DANIEL BORTOLETTO PUBLICADO ORIGINALMENTE NO LANCE!

LEIA TAMBÉM

Brasília será a casa da Seleção Brasileira até 2022

Amanda relembra caso de racismo e defende jovem atleta

Com Pureza renovado, Murilo deve voltar às origens, no Sesi

Americana do Sesi Bauru é destaque na abertura da Liga das Nações

Mayany acerta com o Hinode/Barueri

Fim da parceria entre Corinthians e Guarulhos

Veja também

Sul-Americano feminino: contas para a última rodada

As definições do título e da classificação para o Mundial de 2022 ficaram para a última ro…