Categorias: Coluna Destaques

Coluna: Gabi assume protagonismo na Seleção

“Pode contar comigo”.

Assim Gabi respondeu para José Roberto Guimarães antes de a Seleção Brasileira feminina ser convocada para a temporada. O treinador queria saber da ponteira a disponibilidade depois de uma extenuante – e vencedora – temporada pelo Itambé/Minas. Campeonato Mundial na China, Mineiro, Copa Brasil, Sul-Americano e Superliga foram disputadas, com um vice no primeiro e quatro títulos nos demais.

Ela não pediu folga extra e se colocou à disposição para estar com o time desde o início dos trabalhos. Um alívio para a comissão técnica após tantos pedidos de dispensa por diferentes motivos. Era o início de um protagonismo de Gabi na Seleção.

Após três semanas de Liga das Nações, ela é a principal jogadora do Brasil. E não é apenas a opinião deste escriba. Os números corroboram com a afirmação.

Gabi é a terceira maior pontuadora da competição, com 153 pontos em nove partidas, uma média de 17 por jogo.  No ataque, ela ocupa o sexto lugar no ranking, com aproveitamento de 45%, atrás de atacantes de peso, como Karakurt (TUR), Martinez (DOM), Drews (EUA) e Smarzek (POL).

A camisa 10 do Brasil ainda aparece em quarto lugar no ranking das melhores passadoras, com 33,9% de aproveitamento, exatamente à frente da líbero Léia, especialista no fundamento. Na defesa, Gabi é a 11ª (segunda melhor da Seleção), enquanto no bloqueio é a 20ª (também segunda melhor do Brasil).

Gabi na linha de passe do Brasil (Eric Francis/FIVB Divulgação)

Um protagonismo claro de Gabi, afastando o rótulo de coadjuvante. Em vários momentos pela Seleção nos últimos anos, ela teve ao lado jogadoras com características ofensivas marcantes. Tandara e Natália são dois dos exemplos recentes. E assim naturalmente era menos decisiva no ataque. Não que Gabi não fosse importante no sistema de jogo, mas a responsabilidade maior neste quesito não era dela. Com a oposto fora dos primeiros jogos e com ponta e melhor amiga pouco utilizada por problemas físicos, Gabi mostra ter bem mais a oferecer.

Contra os Estados Unidos, na quinta-feira, a atuação de Gabi foi destacada pela Federação Internacional. 26 pontos marcados e um altíssimo aproveitamento de 65% no ataque foram decisivos para o Brasil calar oito mil torcedores em Lincoln e derrotar a atual campeã da Liga das Nações. E a frase de Zé Roberto é definitiva para comprovar o momento especial da ponteira:

– Gabi fez a grande diferença.

Que continue fazendo!

TEXTO DE DANIEL BORTOLETTO, PUBLICADO INICIALMENTE NO LANCE!

LEIA TAMBÉM

Notícias recentes

Ágatha e Duda: bronze na etapa quatro estrelas de Varsóvia

A dupla brasileira Ágatha e Duda (PR/SE) subiu novamente ao pódio do Circuito Mundial de vôlei de praia 2019. O…

12 horas atrás

Evandro e Bruno Schmidt avançam à semi em Varsóvia

O time brasileiro Evandro e Bruno Schmidt (RJ/DF) superou neste sábado (15.06) adversários pelas oitavas e quartas de final da…

12 horas atrás

Argentina bate França, com Ngapeth e Le Roux, e ajuda o Brasil

A Argentina conquistou a vitória mais importante até aqui na era Marcelo Mendez. Em Cannes, na França, neste sábado, triunfo…

13 horas atrás

Douglas enaltece maturidade da Seleção Brasileira

Maior pontuador na vitória do Brasil sobre a China por 3 a 0, neste sábado, Douglas Souza analisou o resultado,…

14 horas atrás

Coluna: O trio mais poderoso do mundo

A Seleção Brasileira masculina passou a ter o trio mais explosivo do vôlei mundial desde a estreia de Leal? A…

15 horas atrás

Brasil atropela a China e se reabilita na VNL

A Seleção Brasileira está reabilitada na Liga das Nações masculina, após o revés sofrido diante da Sérvia. o único até…

19 horas atrás