Brasil joga mal e fica sem o bronze na VNL

A Seleção Brasileira se despediu da Liga das Nações masculina, neste domingo, com uma atuação para ser esquecida.

Na disputa pela medalha de bronze, derrota para o time B da Polônia por incontestáveis 3 sets a 0, parciais de 25-17, 25-23 e 25-21.

Desde os primeiros lances, ficou claro que o Brasil estava nitidamente abatido em quadra. Um reflexo da virada sofrida na semifinal diante dos Estados Unidos. Compreensível?

Em parte. Logicamente a forma como a vaga na final escapou machuca, ninguém gosta de perder e foram menos de 17h entre um jogo e outro. Porém, um elenco experimentado não pode entrar para jogar uma disputa por medalha com uma rotação tão baixa. Semblantes carregados, nenhuma alegria, parecendo cumprir uma obrigação. E ainda havia o ingrediente de vingar a derrota para os jovens adversários nesta mesma fase final.

O primeiro set foi um passeio polonês. O Brasil, com a mesma escalação da véspera (Cachopa, Wallace, Leal, Lucarelli, Lucão, Flávio e os líberos Thales e Maique), deu nove pontos em erros, o campeão olímpico Wallace não conseguiu pontuar no ataque em seis tentativas, o passe voltou a oscilar… Nada funcionou.

O segundo set caminhava pelo mesmo caminho, com os poloneses abrindo 18 a 12 e quase cumprindo tabela. Neste momento, Renan já havia trocado o levantador com Bruninho, os pontas Douglas Souza e Maurício Borges e o oposto Alan. Com um pouco mais de vibração, o time brasileiro lutou e chegou a virar para 23 a 22. Mas o melhor momento verde-amarelo no jogo parou aí, os erros voltaram a acontecer e a derrota foi confirmada, com Bednorz, o destaque até então, com 15 pontos.

Comemoração polonesa (FIVB Divulgação)

Quem também teve chance na terceira parcial foi Éder, convocado para substituir o lesionado Maurício Souza. O bloqueio, mais uma vez, não conseguiu pontuar, tanto que os centrais Lucão e Flávio tinham apenas um ponto somado no fundamento até então. O Brasil até chegou a ficar na frente no início, mas levou a virada e voltou a demonstrar abatimento e os costumeiros erros. E a Polônia, sem nada a ver com isso e mesmo sem o técnico Vital Heynen no banco de reservas, fechou em 3 a 0.

Bednorz terminou a partida com 21 pontos. Pelo Brasil, Alan foi quem mais pontuou: oito.

Para o Pré-Olímpico, principal objetivo do ano, daqui a três semanas, o Brasil precisa juntar os cacos e mostrar muito mais vôlei para garantir a vaga em Tóquio.

Por Daniel Bortoletto

LEIA TAMBÉM

Notícias recentes

Heller: “Não seremos omissos, muito menos coniventes”

O campeão olímpico André Heller entregou, na quinta-feira, a carta de renúncia de todos os membros da Comissão de Atletas…

5 minutos atrás

Zé Roberto leva 16 para Suzano. Gabi e Natália ganham folga

O técnico José Roberto Guimarães levou 16 jogadoras para Suzano, onde o Brasil faz dois amistosos contra a Seleção Argentina…

17 horas atrás

Leal faz depoimento emocionante e garante: “Eu sou brasileño”

Confira abaixo o emocionante depoimento feito por Leal ao jornalista Alexandre Senechal, da Veja, publicado nesta sexta-feira no site da…

21 horas atrás

Brasil avança com três times às quartas de final do torneio masculino em Moscou

O Brasil avançou com três duplas masculinas entre os oito times que se classificaram às quartas de final da etapa…

22 horas atrás

Com duas contratações e a força da base, Vôlei Renata apresenta elenco

O Vôlei Renata mostrou sua cara oficialmente para a temporada 2019/2020. Com presença de patrocinadores, imprensa e autoridades, a equipe…

22 horas atrás

Turquia e Sérvia disputam final da Gloria Cup neste sábado

Turquia e Sérvia venceram seus jogos nesta sexta-feira, pela segunda rodada do torneio amistoso Gloria Cup, que acontece na cidade…

22 horas atrás