Negro
Home Estaduais Negro chega ao Minas já falando português
Estaduais - Superliga - 22 de julho de 2019

Negro chega ao Minas já falando português

O técnico italiano Nicola Negro chegou à nova casa. O novo treinador do Itambé/Minas se apresentou nesta segunda-feira e mostrou que o idioma não será nenhum empecilho na comunicação entre ele e a equipe, algo que o antecessor Stefano Lavarini também fez e tirou de letra. Após arriscar o primeiro bate-papo em português com as jogadoras, que treinam no Minas I desde a semana passada, Nicola procurou conhecer parte da estrutura de treinamentos do clube e disse estar surpreso.

Em seu primeiro dia de trabalho no Minas, Nicola falou sobre o clube e espera fazer uma boa temporada à frente da equipe. Admirador do vôlei brasileiro, o treinador quer usar a sua experiência de 18 anos para alcançar bons resultados com o time minastenista.

– Eu sempre acompanhei o vôlei do Brasil. Sigo há muito tempo. Claro que, na última temporada, passei a ver com mais interesse. Sempre gostei muito do estilo brasileiro. Espero fazer um bom trabalho aqui no Minas e, claro, ser muito competitivo com a nossa equipe. Teremos uma concorrência muito elevada, mas posso dizer que seremos uma equipe competitiva. Quero aprender muito por aqui e espero que possamos lutar para buscar as primeiras posições. Sobre a estrutura, eu estou surpreendido. Eu conhecia um pouco da história do Minas, mas, em meu primeiro momento aqui, tive um impacto e, imediatamente, pude perceber o porquê dessa grande história. É algo incrível! – afirmou o treinador minastenista, que tem passagens por clubes da Itália, Eslovênia, Polônia, Romênia, Azerbaijão e da Turquia.

Negro terá como assistente o ex-jogador Kléber Paiva, que chegou ao clube na última semana.

Paiva também tem uma vasta experiência no vôlei. Como jogador, defendeu o Santo André e o Brasília. Disputou quatro edições de Superliga, uma Universíade e um Campeonato Espanhol, quando defendeu o Club Vigo Volleyball, da Espanha. Em 2002, iniciou a carreira fora das quadras, como professor de vôlei em uma escola. Na temporada 2003/04, começou a trabalhar como assistente técnico e, de lá para cá, atuou em 14 edições da competição nacional, com passagens pelo São Caetano, Macaé e, desde 2011, estava na comissão técnica do Pinheiros.

Veja também

Em tie-break eletrizante, Minas perde para reservas do Cone, mas vê luz no fim do túnel

Foi um jogo de tirar o fôlego e de tirar o sono de quem se dispôs a ir madrugada adentro p…