Pan
Home Coluna Brasil bateu recordes no Pan. Mas os vôleis ficaram devendo
Coluna - 12 de agosto de 2019

Brasil bateu recordes no Pan. Mas os vôleis ficaram devendo

O Pan terminou feliz para o esporte brasileiro. Mas o vôlei decepcionou

A melhor participação do Brasil na história do Pan-Americano (55 ouros, 45 pratas e 71 bronzes) não teve vôlei e do vôlei de praia como protagonistas em Lima.

Nas quatro medalhas em disputa pelas modalidades, foram conquistadas apenas duas no Peru. E ambas de bronze: no vôlei masculino e no vôlei de praia feminino. Pouco perante a tradição, o investimento, a representatividade e a expectativa do vôlei e do vôlei de praia em qualquer competição internacional.

Para uma análise honesta (alerta de textão!), é preciso colocar na balança, em primeiro lugar, os atenuantes:

– A prioridade nos dois casos era a classificação para Tóquio. Como o Pan não dava vagas ou pontos em um ranking olímpico, os principais nomes da quadra e das areias não estiveram em ação pelo Brasil

– Alguns países levaram força máxima para o Pan. Dos quatro primeiros colocados no vôlei feminino, República Dominicana, Colômbia e Argentina. No vôlei masculino, Cuba. No vôlei de praia, os primos Grimalt (CHI), Virgen/Ontiveros (MEX), Galay/Pereira (ARG)…

Com isso apresentado, minha opinião: os resultados ainda assim deveriam ser muito melhores. E agora é a vez dos agravantes!

No vôlei de praia feminino, Ângela/Carol Horta tiveram no primeiro set das semifinais com as americanas Karissa Cook/Jace Pardon, uma enorme vantagem. Estavam atropelando as rivais de forma categórica. Lembro de ter dito na transmissão da Record News estar vendo o melhor jogo das brasileiras no Pan. De uma hora para outra, as rivais mudaram a estratégia de saque, Ângela e Carol passaram a errar demais e a vaga na final escapou de forma surpreendente. O mérito foi vê-las muito dispostas e focadas na disputa do bronze. A comemoração de Ângela, uma veterana lutadora de 38 anos, provou o quanto o Pan era levado a sério por ela.

No masculino, Oscar e Thiago acabaram sofrendo duas derrotas: uma na fase de grupos para os cubanos Reyes/Gonzalez. Ainda assim saíram em primeiro do grupo e passaram em primeiro no grupo e tiveram certa dose de azar no cruzamento com Virgen/Ontiveros, campeões no Pan de Toronto, em 2015. Em um jogo equilibrado, derrota por 27-25 e 22-20. Gosto amargo de uma eliminação antes da disputa por medalhas. Experientes, os brasileiros tinham potencial para a busca por um lugar no pódio sem sombra de dúvidas.

Nas quadras, a expectativa era ainda maior. A Seleção masculina contava com o campeão olímpico Éder, além de jogadores utilizados no último Mundial e nas edições recentes da Liga das Nações: Lucas Lóh, Thiaguinho, Kadu… Sem contar jovens talentos em busca de espaço no cenário nacional e Marcelo Fronckowiak, assistente de Renan, no banco de reservas. Mas, em poucos momentos na campanha, o Brasil mostrou o que se esperava. Perdeu set para o México na estreia, no dia seguinte para o Chile, até sair atrás do time universitário americano por 2 a 0 e conseguir uma virada para evitar a eliminação na primeira fase. Eu esperava um outro Brasil após a reação. Mas na semi o time verde-amarelo foi atropelado por Cuba em sets diretos. O bronze, na disputa com o Chile, era uma obrigação. E essa, ao menos, foi conquistada.

Pan
Masculino levou o bronze no Pan (Divulgação)

Nitidamente o time sentiu falta de ritmo de jogo no Pan. Para alguns atletas em busca de um lugar ao sol na Seleção, a competição em Lima poderia ser um divisor de águas. O oposto Abouba na primeira fase e o ponta Kadu, em parte da reta final, merecem uma menção honrosa.

No feminino, ter José Roberto Guimarães no banco e três titulares do Pré-Olímpico (Macris, Mara e Lorenne) aumentou a expectativa por um desfecho feliz. Em cinco jogos, porém, o Brasil venceu apenas dois. Além de duas derrotas para a Argentina (todas por 3 a 0) e uma incrível virada sofrida diante da Colômbia (3 a 2). Um quarto lugar muito abaixo do esperado, com algumas atuações sofríveis. O passe, problema também do time A, deixou muito a desejar. Tanto que alguns dos melhores momentos do time tiveram uma oposto atuando na posição (Paula Borgo). Zé também usou pouco Tainara e Julia Bergmann, duas jovens atletas testadas em boa parte da Liga das Nações, semanas antes. O espírito do time como um todo também me decepcionou. Faltou aquele “sangue nos olhos” em alguns momentos. Sobrou apatia em outros.

Um balanço da CBV com as respectivas comissões técnicas é necessário. Para quem em 2023, em Santiago, os resultados possam ser bem melhores.

Por Daniel Bortoletto, publicado inicialmente no LANCE!

LEIA MAIS:

De virada, Brasil confirma vaga em Tóquio no vôlei masculino

Macris fala ao Web Vôlei sobre Pan, Tóquio, Minas, futuro…

Seleção feminina carimba passaporte olímpico no sufoco

Entrevista com Fabi, bicampeã olímpica, hoje comentarista do Grupo Globo

Veja também

Tradicional Master de Saquarema começa nesta sexta, com 1.800 inscritos

Começa nesta sexta-feira (15.11) o Vôlei Master, a maior competição da categoria no voleib…