Home Destaques Brasil cai para a Argentina e fica fora do pódio do Pan-Americano
Destaques - Seleção Brasileira - 11 de agosto de 2019

Brasil cai para a Argentina e fica fora do pódio do Pan-Americano

Seleção perde para as rivais por 3 a 0, na disputa pelo bronze

Um time sem ponteiras, sem virada de bola e com problemas na recepção e no bloqueio. Este é o resumo da atuação do Brasil não só na derrota por 3 sets a 0 para a Argentina – parciais de 26-24, 25-20, 25-21 -, neste domingo, na disputa da medalha de bronze no Pan-Americano de Lima, no Peru, mas também é o resumo da atuação do time em todo o Pan.

Colômbia e República Dominicana disputam o ouro na sequência, com transmissão pelo SporTV 2 e pela Record News. O Brasil chegou à final do torneio nas três edições anteriores, ficando com o título em Guadalajara-2011, com a vitória sobre Cuba na decisão.

As argentinas conseguiram uma medalha no Pan-Americano pela primeira vez na sua história, em meio a uma crise interna. O time feminino não tem o mesmo investimento do masculino, os salários tampouco são equivalentes e a seleção não tem um patrocínio master. Uma semana antes do Pan, os principais jogadores dos times femininos e masculinos se reuniram e pediram mudanças na FaVa (Federação Argentina de Voleibol), igualdade de condições, pagamento de dívidas antigas, mais investimento e a diminuição da taxa de transferência para quem vai jogar em equipes do exterior.

Lucia Fresco foi a maior pontuadora do jogo (Norceca/Divulgação)

Problemas nas pontas

A Seleção Brasileira levou para Lima um time misto, já que a seleção principal disputou, na semana passada, o Pré-Olímpico, com muitos problemas, todos nas pontas. Zé Roberto deu descanso para as ponteiras Gabi, Natália e Amanda e não conseguiu contar com Drussyla e Gabi Cândido na temporada – que pediram dispensa. Com isso, optou por levar ponteiras jovens, mas sem nenhuma experiência, inclusive nos seus próprios clubes.

As quatro ponteiras em Lima – Lana, Maira, Tainara e Júlia Bergmann – sequer foram titulares nas suas equipes na última Superliga. Todas mostraram problemas na recepção e no ataque. Maira ainda ajudou bastante o time no fundo de quadra e chegou a colocar algumas bolas no chão. Julia Bergmann praticamente não entrou.

Apático

A falta de confiança do próprio Zé Roberto nas suas ponteiras foi tamanha, que ele preferiu colocar a oposta Paula Borgo improvisada como ponta nas partidas contra os Estados Unidos, Colômbia e Argentina ao invés de colocar uma das ponteiras do banco. Paula fez alguns bons sets, mas quando passou a não virar no ataque, voltou para o banco e Lana entrou na equipe.

Mara ataca contra o bloqueio argentino (Norceca/Divulgação)

Contra a Argentina, os problemas de virada de bola e no passe ficaram ainda mais evidentes. A Apatia das jogadoras brasileiras foi evidente e desanimador, principalmente no terceiro set. Pareciam se esquecer que valia um lugar no pódio. Valia uma medalha. A Argentina fez a festa merecidamente. Jogou melhor e quis mais.

A oposta Lucia Fresco foi a maior pontuadora do jogo, com 19 pontos. Pelo Brasil, Lorenne marcou 15, Lara 6, Paula Borgo 7, Maira 5, Mara 2, Macris 4, Mayany 4, Tainara 3, Lana 1.

LEIA MAIS:

Macris fala ao Web Vôlei sobre Pan, Tóquio, Minas, futuro…

Seleção feminina carimba passaporte olímpico no sufoco

Entrevista com Fabi, bicampeã olímpica, hoje comentarista do Grupo Globo

Entrevista exclusiva com o comentarista Marco Freitas

Veja também

Zé Roberto leva 16 para Suzano. Gabi e Natália ganham folga

O técnico José Roberto Guimarães levou 16 jogadoras para Suzano, onde o Brasil faz dois am…