Home Destaques Federação Coreana pede punição a assistente russo por gesto de racismo
Destaques - Internacional - 15 de agosto de 2019

Federação Coreana pede punição a assistente russo por gesto de racismo

Sergio Busato disse não saber que o tradicional "puxadinho de olho" era considerado um gesto ofensivo

A Federação Russa de Voleibol pediu desculpas à Federação Coreana pelo que a entidade asiática entendeu como gesto ofensivo por parte do assistente técnico da Seleção Russa Feminina, Sergio Busato, no último dia 4.

Isso, porque Busato comemorou a vitória, de virada, sobre as coreanas, por 3 sets a 2, em Kaliningrado, na Rússia – e a vaga para os Jogos de Tóquio-2020 – com um gesto que, pouca gente sabe, mas é considerado racista entre os asiáticos: o gesto de puxar os olhos lateralmente, numa alusão aos traços físicos orientais.

A Federação Coreana apresentou queixa formal junto à FIVB (Federação Internacional de Vôlei) e à Federação Russa. Os coreanos consideraram o ato “extremamente ofensivo”.

A Rússia protagonizou uma virada incrível sobre a Coreia para se classificar pra os Jogos de Tóquio (FIVB)

Busato, 53 anos, disse  ter ficado “surpreso” e afirmou que a intenção não era ofender os coreanos, e sim fazer uma alusão à classificação para os Jogos do Japão de 2020. O assistente técnico está no voleibol russo desde 1999 e conquistou o ouro com o time masculino nos Jogos de Londres-2012, com a vitória sobre o Brasil.

“O treinador afirmou que estava apenas expressando alegria depois de ganhar uma passagem para as Olimpíadas e não tinha intenção de ofender ou desrespeitar a equipe coreana”, disse a entidade russa, que suspendeu o assistente técnico por dois jogos internacionais como penalidade.

FIVB

Enquanto isso, a Federação Internacional está realizando sua própria análise sobre a queixa para determinar se haverá punição. A FIVB disse ao jornal “The Korea Times” que o gesto de Busato não reflete seus valores.

“É importante ressaltar que a FIVB não aprova nenhum gesto culturalmente insensível, mesmo que não haja intenção de ofender”, disse a Federação Internacional. “A FIVB está empenhada em promover uma melhor compreensão e tolerância da rica diversidade cultural e étnica do esporte. A FIVB continuará a trabalhar incansavelmente com todas as suas federações para garantir que este trabalho seja refletido em toda a comunidade global de vôlei.”

“Estamos tentando confirmar se tal ato é punível pela FIVB”, disse um funcionário da Federação Coreana à agência sul-coreana Yonhap News. “Decidimos tomar essas medidas para garantir que algo assim não ocorra novamente”.

LEIA MAIS:

Um papo com Antonio Rizola, técnico da Colômbia

A volta de Jaqueline ao Osasco/Audax

Macris fala ao Web Vôlei sobre Pan, Tóquio, Minas, futuro…

Seleção feminina carimba passaporte olímpico no sufoco

Entrevista com Fabi, bicampeã olímpica, hoje comentarista do Grupo Globo

Veja também

Heller: “Não seremos omissos, muito menos coniventes”

O campeão olímpico André Heller entregou, na quinta-feira, a carta de renúncia de todos os…