Bruninho
Home Destaques Bruninho, sobre o adiamento dos Jogos: “Decisão mais sensata”
Destaques - Internacional - 24 de março de 2020

Bruninho, sobre o adiamento dos Jogos: “Decisão mais sensata”

Bruninho segue em quarentena na Itália até o dia 3 de abril

Em entrevista ao Web Vôlei, nesta terça-feira, o capitão da Seleção Brasileira Masculina, Bruninho, definiu como “sensata” a decisão do COI (Comitê Olímpico Internacional) de adiar os Jogos Olímpicos de Tóquio, que começariam no dia 24 de julho deste ano, para o verão (euroepeu) do ano que vem. A nova data ainda não foi definida.

– Acho que o adiamento da Olimpíada era uma decisão inevitável. A gente está vendo que o vírus tem atingido todo o mundo, não precisamos criar pânico mas é preciso se cuidar. Cada país tem agido de uma maneira e a gente não sabe quando que esse problema vai ser sanado. Acredito que esse ano seria mesmo muito difícil de a Olimpíada acontecer. Os atletas estão sem a oportunidade de treinar. O vôlei é um esporte coletivo, mas há outros esportes em que o trabalho é mais minucioso, como atletismo e natação, modalidades em que milésimos de segundo fazem a diferença e ficar sem treinar sem dúvida alguma faria com que o atleta chegasse à Olimpíada, que é o ponto mais alto da carreira, sem estar na sua melhor forma possível. Foi a decisão mais sensata – disse o levantador.

Bruninho e Leal seguem na Itália cumprindo contrato com o Civitanova até pelo menos o dia 3 de abril, quando os dirigentes da Liga vão se reunir e possivelmente decidir pelo encerramento do Campeonato Italiano. O Lube, que conquistou nesta temporada o Mundial de Clubes e a Copa Itália, lidera a competição e está nas semifinais da Champions League.

Se isso acontecer, Bruninho, que está de volta ao Brasil, para defender o EMS/Taubaté/Funvic na próxima temporada, deve dar continuidade ao seu isolamento social no Rio de Janeiro. Leal renovou contrato com o Civitanova por mais um ano e vai ficar com a família em Cuba durante o período de quarentena, até que o calendário do vôlei possa ser normalizado.

Veja também

Fawcett: “Foi difícil decidir se era a hora de parar”

A interrupção da Superliga Banco do Brasil feminina antecipou uma difícil decisão para a a…