Fawcett
Home Superliga Fawcett: “Foi difícil decidir se era a hora de parar”
Superliga - 28 de março de 2020

Fawcett: “Foi difícil decidir se era a hora de parar”

A interrupção da Superliga Banco do Brasil feminina antecipou uma difícil decisão para a americana Nicole Fawcett, de 33 anos: após três temporadas no Dentil/Praia Clube, ela encerrou a carreira de jogadora profissional.

– Estava pensando havia algum tempo em me aposentar. Eu sabia que estava começando a me cansar de viver constantemente fora do país e, quando estava em casa, não queria ir embora. Acho que a parte mais difícil foi tentar decidir se agora era a hora de parar. Ainda sinto que posso jogar bem e, se alguma coisa, estava jogando melhor do que eu já havia jogado, mas também notei que meu corpo não se recuperava como antes. Estava querendo começar um novo capítulo na minha vida e senti que o momento era agora. Terminei no auge – disse Fawcett, em entrevista publicada pelo site da Federação Internacional.

No Praia, ela ajudou na conquista da então inédita Superliga, três anos atrás. Passou também por Porto Rico, Rússia, China, Coreia do Sul, Turquia e Itália. Pela seleção americana, em sete temporada, disputou 35 campeonatos, incluindo o Mundial de 2014 e o Pan de 2015. Chegou a ter o recorde mundial de pontos marcados em uma partida (55) atuando na liga coreana na temporada 2012/2013.

– Eu não deixaria o esporte se ainda sentisse que tinha algo a provar. Obviamente, existem momentos que não eram ideais, mas acredito que há uma lição a ser aprendida e em algum momento poderei olhar para trás e rir da loucura da vida que tive. Tenho orgulho de o que eu fiz e realizei, mas não joguei por isso. Joguei porque eu absolutamente amo o esporte.

Fawcett, no entanto, não estará fora do esporte. Ela foi anunciada como assistente técnica voluntária da equipe feminina de vôlei da Ohio State University, em Columbus, Ohio.

– Sabia que precisava me manter no esporte depois de me aposentar. Conversei com alguns amigos e familiares. Ter um plano era realmente a melhor jogada para ajudar no processo de transição. A oportunidade no estado de Ohio estava lá e eu senti que era o lugar perfeito para me recuperar do voleibol e também para devolver o esporte que me proporcionou mais do que eu jamais poderei retribuir.

Veja também

Zé Roberto: “Macris tem condição de ser uma das melhores do mundo”

Em entrevista ao programa “Os Canalhas”, do canal UOL, comandado pelos jornali…