Sesc
Home Superliga Caras novas e “antigos pilares” falam do Sesc RJ Flamengo
Superliga - Vaivém - 30 de julho de 2020

Caras novas e “antigos pilares” falam do Sesc RJ Flamengo

Confira a opinião das atletas sobre o novo time

A primeira temporada do projeto do Sesc RJ Flamengo unirá caras novas com velhas conhecidas da torcida. E elas fizeram uma análise do que esperam.

De volta ao Rio de Janeiro, Lorenne já havia trabalhado com Bernardinho há alguns anos. Agora, espera poder dar sequência no crescimento de sua carreira, que teve um boom nas últimas temporadas, em clubes e defendendo a Seleção Brasileira.

– Estou muito feliz de voltar, agora com outra perspectiva. O time manteve a base e isso faz com que a gente esteja um passo à frente. Vamos treinar muito, batalhar para, se Deus quiser, chegar nas finais das competições. Com as jogadoras bem experientes, entrosadas, a gente vai ter um ano muito interessante. Chego bem diferente. Vim para cá muito nova, com 18 anos, e agora pretendo ajudar o time da melhor forma que posso. Já joguei com a maioria das meninas também e vou trabalhar muito para contribuir – disse Lorenne.

Capitã da equipe, a ponteira Amanda é um dos pilares do time de Bernardinho. Com muitos anos de trabalho no projeto, ela espera poder ajudar quem está chegando e promete, como sempre, muita entrega.

– Quem vem para cá já sabe e entende como funciona nossa estrutura e toda a tradição do Bernardo, a frente do projeto há tantos anos. Estamos vivendo um período difícil, no momento inicial de uma temporada diferente, mas sabemos que teremos um ambiente de trabalho muito bom e com a estrutura que a gente necessita.

Sesc
Amanda é a capitã do Sesc RJ Flamengo (Marcelo Cortês/Divulgação)

Com apenas 16 anos, completados em 7 de abril, Ana Cristina é umas das caçulas do Sesc RJ Flamengo. Destaque do último Mundial sub-18 com a Seleção Brasileira (bronze), quando foi eleita a melhor ponteira, a ponteira revela uma expectativa muito grande de poder atuar ao lado de ídolos.

– Já conhecia algumas meninas, porque são amigas da minha mãe, e é muito gratificante estar junto com elas, porque eu cresci vendo elas jogarem. Estou muito feliz com essa oportunidade. Vou poder crescer muito, ganhar experiência e aprender. Sei que todas vão me ajudar muito e eu espero melhorar cada dia mais – revelou Ana Cristina, que mede 1,92m e é filha da ex-jogadora Ciça, formada na base do Flamengo.

Outro jovem valor do Sesc RJ Flamengo, que defendeu o Brasil na conquista do bronze no Mundial sub-18 de 2019, é a meio de rede Lívia, de 17 anos, completados em junho. Vinda da base do Tijuca, ela também carrega o brilho da juventude e a vontade de aprender e crescer ao lado de atletas consagradas e sob o comando de Bernardinho.

– É muita alegria jogar minha primeira temporada adulta e com o Bernardinho ainda. Quero muito melhorar. Sou muito nova e tenho muito o que aprender. O grupo é ótimo, elas são super compreensíveis, me ajudam bastante e minha expectativa é a melhor possível. Melhorar, melhorar e melhorar é o que espero.

Outra meio de rede que chega ao Sesc RJ Flamengo é Valquíria. Com uma carreira consolidada e passagens marcantes por Minas e Bauru, a gaúcha chega para realizar um sonho pessoal e para ajudar o time a brigar por títulos.

– É uma satisfação muito grande estar aqui. Estou extremamente realizada de poder jogar no Sesc RJ flamengo. Era um sonho trabalhar com o Bernardo e é realmente uma honra. Será uma temporada de muitos desafios, difícil. Para mim, será um novo time, uma nova casa, depois de quatro anos em Bauru. E é como mudar de pele, a gente fala, não é?! E vai ser muito desafiador! É ímpar o trabalho de nossa comissão técnica. A organização, estrutura… A ficha ainda não caiu. Às vezes chego e nem acredito que estou aqui e vou trabalhar com o Bernardinho. Mas é realidade e cheguei para me jogar, para me entregar.

Já a levantadora Juma já é uma realidade no vôlei brasileiro. E espera subir de patamar atuando no Sesc RJ Flamengo e ao lado da ídolo Fabíola.

– Estar no Sesc RJ Flamengo será, sem dúvida, uma experiência muito boa. Estou com a cabeça para aprende e quero muito evoluir, dar um salto na minha carreira. Acredito que estar aqui vai ser fundamental para isso. É um time de meninas com quem eu já joguei, um grupo muito bom, acolhedor e tudo isso contribui para que a temporada seja muito vitoriosa. Sempre quis jogar com a Fabíola, porque me espelho nela. É um exemplo de levantadora, de pessoa, e será muito, muito, muito bom.

Elogiada pela nova companheira de time, Fabíola espera que ela e as atletas que permanecem no time possam proporcionar um bom ambiente de trabalho para quem está chegando.

– A gente conseguiu manter boa parte do nosso grupo. Teremos uma equipe forte e é muito positivo isso, pois você não precisa iniciar um trabalho do zero. São atletas que já estão acostumadas a trabalhar juntas, que possuem um entrosamento e ajudarão a todas que estão chegando.

Fechando a série de contratações do Sesc RJ Flamengo, a oposta Sabrina chega para, depois de boas temporadas no São Caetano e Curitiba Vôlei, também realizar o sonho de defender uma grande equipe e trabalhar com Bernardinho.

– É um sonho que estou realizando. Trabalhei muito nas últimas temporadas para alcançar isso. Poder trabalhar com o Bernardo, com esse grupo. É muito bom. Vamos nos dedicar muito e dar muito trabalho nesta temporada – finalizou.

Veja também

Minas derrota o Sesi SP e volta para o G4

O Minas derrotou o Sesi SP por 3 sets a 0 – parciais de 25-23, 25-21, 25-18 – …