fair play
Home Coluna Coluna: O indispensável fair play precisa evoluir
Coluna - Superliga - 25 de julho de 2020

Coluna: O indispensável fair play precisa evoluir

Análise de Daniel Bortoletto sobre o mecanismo

O vôlei brasileiro precisa evoluir as regras do fair play financeiro. E a opinião não é apenas minha. Em conversa com diferentes entes da cadeia produtiva da modalidade nas últimas semanas, atletas, técnicos, dirigentes e empresários defenderam uma discussão conjunta com a CBV para evoluir o mecanismo já para as próximas temporadas.

Para o bem geral da nação, a regra do fair play parece que veio para ficar. Um ponto para ser comemorado no país do jeitinho. O ambiente ficou um pouco mais seguro, uma vez que a obrigação da entrega de um documento de quitação, assinado por jogadora(e)s e integrantes da comissão técnica, para a inscrição no ano seguinte, aumentou a pressão sobre os maus pagadores.

Mas isso não foi suficiente para zerar os problemas. A última Superliga viu diversos casos de atrasos de pagamento, bem antes de a pandemia chegar, interromper as disputas e se transformar na culpada por tudo. A justiça também já foi usada na temporada passada para aproveitar brechas no regulamento.

A entrega da documentação assinada não pode ser o fim do processo. É o meio. Muitos times precisaram fazer acordos com seus profissionais em busca das sonhadas assinaturas. Eles ficaram devendo e, para evitar a perda da vaga, fizeram promessas e acordos para quitação futura. Com a presença na próxima Superliga garantida, vários deixarão de cumprir e, no linguajar popular, darão o calote. Uma das possibilidades é estipular que os pagamentos pendentes da temporada passada precisam ocorrer até o fim do ano seguinte, com a CBV exigindo a entrega de comprovantes a cada três, quatro meses.

Se isso já existisse, Caramuru, por exemplo, com dívidas da temporada 2018/2019, não teria vaga em 2020/2021. Vários atletas com pendências daquela época enviaram recentemente mensagens para a CBV contrários à presença do time paranaense na próxima Superliga. Obtiveram como resposta da entidade “lamentos sobre a situação e a sugestão de buscar os direitos na justiça”.

Também ouvi como sugestão de alguns a criação de um tópico no regulamento aplicando a perda de pontos no início da Superliga para quem não tiver honrado os compromissos assumidos. E eles levam em conta as atuais datas para defesa deste ponto. O fair play foi entregue em 15 de julho.  Será que até fim de outubro ou início de novembro, quando a Superliga normalmente começa, as dívidas estarão quitadas ou sendo pagas como o acordado?

Ambas as possibilidades me agradam e já ajudariam a evitar o calote após a garantia das valiosas assinaturas. Mas a existe uma outra discussão: a regulamentação sobre contratos dos atletas.

Hoje, poucos possuem registro na carteira de trabalho. Alguns recebem parte do contrato “por fora”, uma forma de minimizar impostos e deduções obrigatórias por lei. Outros sequer possuem um contrato formal. Acertam um valor de “imagem” e, quando ficam sem receber, não conseguem brigar pelos próprios direitos. Mas esse tema importante e repleto de nuances fica para uma próxima coluna.

Por Daniel Bortoletto

Veja também

Leon brilha em conquista do Perugia na Supercopa

Uma final digna de dois dos maiores clubes da atualidade no mundo só poderia terminar em c…