Home Destaques Cozinha, livros, Netflix e malhação: a quarentena de Régis
Destaques - Entrevista - 6 de agosto de 2020

Cozinha, livros, Netflix e malhação: a quarentena de Régis

A ponteira Régis, 33 anos, 1,90m, tem aproveitado a quarentena não só para manter a forma física enquanto a temporada não começa – com treinos que a torcida e os seu seguidores podem acompanhar pelos vídeos animados que ela posta no Instagram – mas também para curtir a família, no Rio de Janeiro, ler, assistir filmes e séries na Netflix e aprender pratos novos na cozinha.

Ela bateu um papo com o Web Vôlei na última quarta-feira, enquanto fazia um pão caseiro, e aproveitou para deixar uma receita fitness de bolo de banana para os nossos leitores. Régis ainda não definiu onde vai jogar na próxima temporada. Fez uma análise dos dois últimos três anos que atuou fora do país – dois anos na Polônia, em 2019/2020, e um no Perugia, da Itália, depois de ter sido dez vezes campeã da Superliga com o Sesc RJ. Confira abaixo a entrevista:

WEB VÔLEI – Como tem sido malhar na quarentena? A gente tem visto você usar garrafas d´água como peso, adaptando o que tem em casa (risos)?

RÉGIS – Além de malhar todos os dias com meu irmão Cleberson, primo Gabriel, meu amigo e personal Rodrigo, Samara (Vôlei), Mikaella (Vôlei) e Gilberto (vôlei de praia), eu assisto Netflix com minha mãe, procuro fazer uma leitura, faço uns treinos com bola aqui na garagem e bato bola com o vizinho de 13 anos que ama vôlei.

WEB VÔLEI – Que tipo de música você gosta de ouvir?

RÉGIS – Eu sou eclética, mas especificamente samba/pagode e Gospel. Gosto muito.

WEB VÔLEI – Indique alguns livros que te inspiram

RÉGIS – Transformando Suor em Ouro (Bernardinho), Mente de Campeão (Pete Sampras), indicação do Bernardinho e Nunca deixe de tentar (Michael Jordan).

WEB VÔLEI – Quais séries você viu ou tem visto ultimamente?

RÉGIS – Greenleaf, Vis a Vis, Ponto Cego, How to Get Away With a Murderer e Ozark

WEB VÔLEI – Onde você vai jogar na próxima temporada?

RÉGIS – Ainda não decidi.

WEB VÔLEI – Como foi a sua experiência na Polônia e na Itália? Você emendou logo duas temporadas no exterior…

RÉGIS – A Liga Polonesa foi minha primeira experiência internacional, um país que me recebeu de braços abertos, a torcida, então, nem se fala. Fui muito feliz jogando lá por duas temporadas e poder ajudar na conquista do título após 36 anos (no LKS Commercecon Lodz). E lá na Polônia, consegui reerguer meu voleibol, estar bem fisicamente e jogar de igual pra igual. A liga em si, é bem boa, não tem nenhum time bobo, num piscar de olhos, beijinho, bye bye. A Liga Italiana é uma melhores ligas do mundo, todos os times são bons e jogam com muita velocidade. Uma liga onde tem varias jogadoras de Seleção e medalhistas olímpicas, foi um sonho que consegui realizar, pena que foi interrompido pelo coronavírus.

WEB VÔLEI – Você tem postado fotos e vídeos de pratos legais na cozinha. Sempre gostou? Coloca uma receita para os seguidores do @webvolei fazerem em casa.

REGIS – Eu gosto muito de cozinhar, me aperfeiçoei mais nessa quarentena e vou fazendo receitas para ocupar a cabeça! Uma receita legal é a  do bolo de banana com aveia, que não leva farinha de trigo: 4 bananas amassadas; 2 ovos batidos; 1 xícara de aveia; 1 colher de chá de fermento em pó. Eu adicionei meia colher de sopa de açúcar mascavo por minha conta, mas fica a seu critério de colocar ou não.

Na Polônia, Régis ajudou o time a ser campeão 36 anos depois (Divulgação)

Veja também

Gianelli leva o prêmio de MVP do Europeu

Capitão da Itália, o levantador Simone Gianelli foi eleito o melhor jogador, ou MVP, do Ca…