Bob
Home Destaques “Zen”, Bob fala de futuro, espiritualidade e sua ligação com a natureza
Destaques - Entrevista - 3 de agosto de 2020

“Zen”, Bob fala de futuro, espiritualidade e sua ligação com a natureza

Quem acompanha o ponteiro Bob – Robinson  Dvoranen para os não-íntimos – nas redes sociais sabe da sua ligação forte com a natureza. São comuns suas postagens no meio do mato, com cachoeiras deslumbrantes, trilhas, muitas árvores e paisagens de tirar o fôlego, acompanhadas por textos espiritualizados, sempre conectadas com o Todo e o amor universal.

Aos 36 anos, Bob, 2,01m, que atualmente está morando em uma casinha isolada de tudo, em Casa Branca, Distrito de Brumadinho, a cerca de 60 quilômetros de Belo Horizonte, vai largar a tranquilidade momentânea e forçada pelos quatro meses de quarentena para se apresentar ao Sporting, de Portugal, seu próximo clube.

Numa conversa muito bacana e descontraída, o paranaense, nascido na cidade de Maringá e um dos ponteiros brasileiros mais experientes em ação, falou com o Web Vôlei sobre as expectativas para o novo desafio e elogiou a estrutura e o nível do Campeonato Polonês – ele defendeu o Cuprum Lubin na última temporada.

Bob já defendeu times como Fiat/Minas, Suzano, Lupo/Náutico, Unisul, Ulbra, Sada/Cruzeiro, Montes Claros, Vôlei Futuro e São José. No exterior, acumula experiências no vôlei italiano, romeno e iraniano.

Bob
Bob manteve a forma durante a quarentena (Instagram/Reprodução)

O ponteiro contou também como começou a descobrir-se um ser espiritual, falou dessa sua forte ligação com a natureza, da sua rotina de exercícios, meditação, leitura e trabalho na horta caseira que ganha novos contornos a cada dia, e brincou sobre como é ser uma pessoa “zen” no meio do vôlei: ” Tem muita gente que se impressiona, quer conhecer mais, tem gente que acha que eu sou maluco (risos), tem gente que dá muita risada, acha que eu estou fora da realidade, mas eu acho bonito, cada um tem seu tempo, cada um tem a sua visão e acho que nenhuma palavra volta vazia. De alguma maneira a gente sempre desperta alguma coisa em alguém quando a gente explana a verdade” disse Bob.

Veja abaixo os principais tópicos da entrevista.

WEB VÔLEI – EXPERIÊNCIA NO VOLEIBOL POLONÊS

BOB – É incrível o nível do voleibol lá, em todos os lados. É muito bem estruturado, a população gosta muito, então eles sabem como aproveitar isso. Eles têm um campeonato praticamente todo transmitido na TV, são três jogos por dia, não todos os dias, mas vários dias da semana passa em três horários e isso traz muito retorno de visibilidade e retorno para os clubes. Todos os jogos têm video check para todas as possibilidades, quando eu cheguei lá fiquei meio perdido, porque eu só conhecia a regra do dentro ou fora e lá tem video check para tudo, todas as possibilidades, para todas as ações que o árbitro pode ter dúvida. Os clubes são muito bem estruturadas, o nível do campeonato é altíssimo, com muitos estrangeiros. Gostei muito dessa parte. Apesar de ter sido uma experiência muito difícil porque eles são mais frios realmente, têm uma realidade diferente de mundo, foram muito atacados ao longo da história e isso fez eles desenvolverem uma personalidade fechada. Mas em relação ao voleibol foi uma experiência incrível. Toda rodada ginásio super bem estruturados, apoio de torcida em todo lugar, baita experiência.

WEB VÔLEI – EXPECTATIVA DE ATUAR EM PORTUGAL NA PRÓXIMA TEMPORADA

BOB – Minhas expectativas sobre Portugal são enormes. Vou jogar em um clube super tradicional, principalmente no futebol, que tem uma rivalidade grande com outro clube tradicional, que é o Benfica, e pelo que me consta também terei uma boa estrutura de clube lá. Estou empolgado para esse novo desafio. Vamos jogar a CEV também , estou me preparando bem na quarentena. Foram quatro meses de hiato. Estou empolgado, me cuidando e já ansioso para começar a nova temporada.

Bob
Bob foi oficialmente anunciado no último domingo

WEB VÔLEI – CONEXÃO COM A NATUREZA E ESPIRITUALIDADE

BOB – Desde novinho sempre gostei de pedra, de tudo que envolvesse magia, natureza, praticamente sou uma bruxinha (risos). Mas com o passar da adolescência, com o chegar da vida adulta, eu fui tendo experiências espirituais. Primeiro tive algumas dentro de um colégio que eu estudava, que era um colégio de padres, e depois tive uma muito forte dentro da Igreja Evangélica, com experiências sobrenaturais mesmo e foi onde eu me entreguei para a espiritualidade e onde eu fui conhecer mesmo a história de Jesus Cristo e acabei confundido tudo ( risos). Fiquei um bom tempo preso nessa confusão. Atrelei essa minha espiritualidade à religião. Como aconteceram essas coisas dentro de uma determinada igreja, eu acabei levando para o lado de que as coisas aconteciam dentro da igreja, que a minha espiritualidade acontecia por causa da igreja. E fui querendo me adaptar aos dogmas dessa instituição. Acreditava que tinha de fazer tudo que o pastor falava. Por terem acontecidos esses episódios lá dentro, tudo que era falado lá dentro era correto. Aí eu fiz uma confusão. Dei poder aos homens e à instituição em si ao invés de dar poder à minha espiritualidade.

WEB VÔLEI – LIVROS E MOMENTOS QUE O FIZERAM DESPERTAR

BOB – Daí a partir desses processo eu pude começar a explorar as religiões, entender o que cada uma tinha de mostrar, mergulhar sem ser escravo dela. A religião pode ser deturpada pelo poder. Um livro muito importante para mim foi A Cabana, que me ajudou no meu despertar e depois eu comecei a ler outras coisas mais abrangentes. Outro livro que me despertou foi “O Poder do Agora” (Eckhart Tolle), porque me deu a consciência da separação da minha mente para o meu ser. Sair dessa escravidão do que eu achava que era eu e conseguir ver a minha mente separada do meu ser. E consegui ser o observador da minha mente e aí você começa o processo de libertação, de quebra de padrões. Depois disso, expandi meu campo de estudo. Teve uma trilogia que foi muito importante que foi A Profecia Celestina, a Décima Profecia e o O Segredo de Shambala (do escritor de James Redfield) .

WEB VÔLEI – VOCÊ MORA NUMA CASINHA NO MEIO DO MATO?

BOB – Esse lugar é o paraíso, estou em Casa Branca, distrito de Brumadinho, no meio do mato mesmo, eu tenho pedrinhas energizadas, horta, contato com terra, planta, animais…

Bob
Bob tem horta na sua “roça” particular (Arquivo Pessoal)

WEB VÔLEI – ROTINA NA QUARENTENA

BOB – Exercícios, há uns dois meses eu coloquei como prioridade, que no começo eu estava variando bastante. Agora estou fazendo treinamento que o clube mesmo passou, fora isso rotinas caseiras de roça, a gente fez uma roça, capinei muito no começo, porque tinha muito mato, faço as minhas meditações, fico com os meus cachorrinhos, tem sido um aprendizado incrível de troca com esses bichinhos, que eu nunca imaginei, leio, normalmente eu recebo bastante amigos, mas esse ano eu limitei por causa da pandemia. Fiquei bastante tempo isolado. Eu divido a casa com um grande amigo. A gente ficou nessa rotina de dividir casa, espaço, coisa que eu não sou muito acostumado, sempre fui acostumado a morar sozinho e isso foi um prêmio porque trouxe muito confronto e amor, aprendizado para a convivência.

MOMENTO DE APRENDIZADO PARA A HUMANIDADE

BOB – Acredito muito na teoria espírita de que a gente está passando de um planeta de provas e expiações para um planeta de regeneração. A gente tinha a data-limite até 2019 e se agente não se explodisse enquanto humanidade, a gente teria um “boom” enquanto humanidade. Um “boom” tecnológico e vibracional. Acredito que esse momento chegou. A gente não se explodiu e esse processo de mudança vibracional começou e acredito que essa pandemia faça parte desse processo. A gente infelizmente ainda funciona com evolução através da dor. Então a gente está sendo confrontado com um monte de tipo de dor, trazendo um monte de tipo de sombra. No meio da pandemia a gente tem um líder de governo que está cagando para a população e que está trazendo à tona muitas sombras, com uma sombra meio neonazista… então esse processo está acontecendo até mais rapidamente. A gente tem de trazer sombras à luz.E evoluir, crescer, aumentar o nível vibracional, levar o planeta para a quinta dimensão. Tem muita gente se iluminando, tem muita gente se despertando para essa nova realidade, esse novo entendimento, acredito que seja o início da derrocada do capitalismo, porque está ficando muito claro que o sistema é totalmente  falho e cruel. Essa parada mundial e essa visibilidade do que é o nosso sistema nesse momento de pandemia veio com mais força para esse processo de despertar da nova Terra.

WEB VÔLEI – MEDITAÇÃO, ENERGIZAÇÃO…

BOB – Eu medito, faço a energização das pedrinhas, faço meus rituais muito no feeling. Acredito muito nessa energia interna, leio bastante, faço bastante coisinha aqui. Agora estou lendo “A Vida Secreta das Árvores”, fala como é a comunicação entre elas debaixo da terra como elas se comunicam, é incrível, é chocante até… Tem um monte de coisa da natureza que a gente fica impressionado. Sou sócio em uma empresa de paisagismo ecológico, Nativa Paisagismo @nativapaisagismo, que usa as plantas nativas daqui da região do cerrado, que traz muito estudo em cima dos biomas daqui da região, e isso me conectou ainda mais com a natureza, estar ao lado de pessoas que buscam essa sustentabilidade. E outra coisa que eu tenho lido demais, que estou achando interessante é o Paulo Coelho. Acho que estou no sétimo livro seguido dele. Estou adorando.

WEB VÔLEI – COMO É SER “ZEN” NO MEIO DO VÔLEI?

BOB – Tem muita gente que se impressiona, quer conhecer mais, tem gente que acha que eu sou maluco (risos), tem gente que dá muita risada, acha que eu estou fora da realidade, mas eu acho bonito, cada um tem seu tempo, cada um tem a sua visão e acho que nenhuma palavra volta vazia. De alguma maneira a gente sempre desperta alguma coisa em alguém quando a gente explana a verdade.

Por Patrícia Trindade

Veja também

Vakifbank confirma: mais seis atletas estão com coronavírus

Os casos de coronavírus no elenco do Vakifbank não param de subir. Nesta terça-feira, o cl…