Natália
Home Entrevista Natália: “Nunca treinei tanto passe como nas semanas com o Zé”
Entrevista - 12 de setembro de 2020

Natália: “Nunca treinei tanto passe como nas semanas com o Zé”

Em adaptação na Rússia, Natália falou sobre carreira, Tóquio, planos e do trabalho na pandemia

Da expectativa de estar em Tóquio, na terceira Olimpíada da carreira, para a realidade de treinar em Barueri, em meio à pandemia e das incertezas sobre o futuro. O mês de agosto de 2020 para ponteira Natália foi assim, porém, rendeu frutos que ela espera colher em um ano, quando a Olimpíada adiada realmente começar.

Nesta entrevista exclusiva ao Web Vôlei, de Kaliningrado, local da primeira fase da Copa da Rússia, a jogadora de 31 anos, reforço do Dínamo Moscou para 2020/2021, revelou detalhes do período de treinamento com José Roberto Guimarães. Uma espécie de “pré-temporada forçada” para a capitã da Seleção.

– Fiquei com o Zé Roberto um mês e meio antes de vir para a Rússia e já pude trabalhar o que ele quer para mim para o ano que vem. Nunca treinei tanto passe como nessas semanas com o Zé. Estavam lá o Fernandinho, o fisio do Barueri e da Seleção, o Alexandre que é braço do Barueri e também da Seleção… Pude conversar bastante com o Zé também. Foi bom para a gente meio que traçar uns planos para o ano que vem. Individualmente acho que foi muito válido – comentou Natália.

Durante meia hora de conversa, a ponteira falou ainda do seu estilo de capitã, suas inspirações para liderar a Seleção, as expectativas para a presença de algumas companheiras no elenco verde-amarelo, além da adaptação no vôlei russo, o contato com Goncharova, os planos para jogar mais “cinco, seis anos” e o sonho de ser mãe no futuro.

Confira a íntegra da entrevista com Natália:

Já aprendeu alguma coisa em russo?

Eu tentei fazer umas aulas de russo no Brasil, mas é difícil. Eu consigo ler o alfabeto, mas tem muita coisa que não consigo entender.

Como está sendo a adaptação em Moscou?

Vou para a quarta semana aqui, o pessoal é bacana. As meninas e a comissão técnica estão tentando me ajudar, todos sendo muito simpáticos. Mas é uma experiência diferente, porque joguei três anos na Turquia (somando Fenerbahce e Eczacibasi) e antes apenas no Brasil. Esse ano eu sou a única estrangeira do grupo. Tem a Hanna Klimets, que é bielorussa, mas fala russo. Estrangeira mesmo só eu. Então, eu até estou ficando sozinha no quarto. A Goncharova também fica sozinha no quarto. Para mim é bom, porque como eu tenho outro fuso horário, quero conversar com as pessoas no Brasil, é ótimo. Durante o dia eu converso bastante com as meninas. Mas realmente é diferente. Nos três anos da Turquia as estrangeiras eram muito unidas. Fiz amizades que vou levar para o resto da vida. As estrangeiras eram sozinhas e se juntavam. O bacana de Moscou é que tem muito brasileiro. Semana passada eu saí pra jantar com uns cinco brasileiros, o pessoal do futsal, e são ótimas companhias para mim. Conversamos a noite inteira, viramos família mesmo. Os brasileiros são muito importantes quando a gente está fora, principalmente no fim de semana. Durante a semana estou focada nos treinos, mas no fim de semana acho importante reforçar o social.

Você já tinha contato com as russas, rivais nas competições pelas seleções?

Eu não conhecia nenhuma das meninas, só tinha jogado contra na Seleção. Nunca tive relacionamento nenhum com as russas. Era apenas oi e boa noite mesmo. Não são todas do time que falam inglês. A Shcherban e a Goncharova falam inglês e são as que eu mais me comunico. Mas todas elas tentam me ajudar, perguntam se eu estou precisando de alguma coisa. Mas nunca tinha tido nenhum contato com nenhuma delas.

View this post on Instagram

My google translate @fetisova_ira 🤗😅💙

A post shared by Natália Zilio (@natizilio12) on

Você já havia sido procurada para jogar na Rússia anteriormente, certo?

Eu já tinha tido contato das russas. Amei jogar na Turquia, quase fui para a China, mas esse ano acho que a Rússia foi a melhor opção. Estou numa contagem regressiva na carreira. Estou com 31, indo para 32 anos já. Tenho minha família e meus amigos no Brasil, mas gosto de jogar fora. E querendo ou não tem a questão financeira, que conta. E ganhando em euro, então… Tenho de fazer meu pé de meia. Os fãs muitas vezes não entendem. E eu também gosto de fazer amizades. Posso dizer que tenho amizades no mundo inteiro. Onde eu quiser ir eu tenho lugar para ficar: Estados Unidos, Tailândia, Coreia… Minha carreira um dia vai acabar, mas as amizades ficam. Gosto de conhecer gente nova, conhecer as culturas. Realmente é algo que o voleibol me deu. Se eu não fosse jogadora de vôlei eu dificilmente teria a chance de morar fora do Brasil. Amadureci muito como pessoa e jogadora desde a minha experiência na Turquia. Experiências que dinheiro nenhum compra.

Você já planeja uma aposentadoria em médio prazo?

Eu penso em jogar até meu corpo aguentar. Não quero que me parem. Quero parar em alto nível. Quando eu perceber que comecei a cair, eu vou parar. É o que eu penso. Este ano eu comecei a fazer um trabalho com a Betina (Schmidt, ex-jogadora), uma amiga que joguei na Seleção de base, e com a Dani na área de mentoria para quando parar de jogar vôlei. Pretendo ainda jogar uns cinco, seis anos. Vou ver se aguento até os 36, 37 anos. A gente nunca sabe o que vai acontecer com o nosso físico, né? Depende muito do corpo. Mas isso é o que eu tenho em mente, até uns 37 anos.

E o que pense em fazer quando parar?

Eu sempre gostei muito da comunicação, de conversar, de falar, então gostaria de seguir, de repente os passos da Fabizinha, de ser uma comentarista, de entrar nessa parte do esporte. Como esse plano é a médio e longo prazo, estou focada por enquanto no voleibol. Quero parar daqui alguns anos talvez, fazer faculdade e tudo mais. Não quero chegar nos últimos anos de vôlei e pensar: “Poxa, não me programei!”. Quero chegar lá com tudo já programado.

Você é capitã da Seleção. Como encara a responsabilidade?

Sempre fui uma jogadora que gostou muito de ajudar quem joga do meu lado. Dentro de quadra, com as mais novas, principalmente nos últimos anos, sempre tentei ajudar com uma palavra de conforto e tal. E capitã, além disso, tem de cuidar do fora da quadra. Eu sempre fui uma atleta que sempre me cobrei muito. Nunca falei para a minha mãe por exemplo: “Mãe, hoje eu joguei bem!”. Mesmo que eu tenha feito um jogo quase perfeito. Eu sempre penso no que eu errei, no que eu poderia ter feito melhor. E, como capitã, a cobrança é maior ainda. Tem de ser exemplo para você poder cobrar as outras jogadoras, têm de fazer primeiro. Hoje em dia eu me cobro mais ainda. Eu tive, anos atrás, problemas na Seleção com a parte física no joelho e tal. Em vários momentos eu não pude dar o meu melhor. É complicado você ajudar quando você está precisando de ajuda. Nesta última temporada eu consegui jogar mais tranquila na Turquia e se Deus quiser eu vou chegar assim em Tóquio no ano que vem. Mas realmente é uma responsabilidade a mais sendo capitã. Eu gosto.

Qual seu estilo de liderança?

Sempre gostei de ajudar. Sempre converso. Nunca vou ser a jogadora que chega gritando, cobrando de maneira errada. Eu já tive de me reinventar, por experiência própria, por tudo que vivi dentro do vôlei, tento passar para as meninas essa visão. Uma líder que me inspirou, sempre gostei muito, foi a Fofão. Eu tive a oportunidade de jogar com ela, se não me engano, três temporadas no Rio. A Fofão não é de falar muito, mas a maneira que ela se comporta, o respeito das jogadoras por ela.. Você olha para a Fofão e é uma calmaria… A Fofão é uma líder de nascença. Sempre fui muito fã dela, tenho contato até hoje, sempre tive muita admiração. Desde os 15, 16 anos tive o prazer de ter o contato com outras: Fabi Sheilla, Fabizona, pela dedicação e seriedade que elas têm. Sempre tive com as melhores do meu lado e aprendi o caminho certo a tomar. Tive sorte nessa parte.

Natália
Comemoração da vaga olímpica em Uberlândia, em 2019 (FIVB Divulgação)

Em ano olímpico, a comissão técnica da Seleção procura acompanhar de perto das jogadoras no exterior. Já combinou algo com o Zé Roberto?

O Zé está querendo vir para Rússia. Ele quer assistir a um jogo da Champions, pediu para eu avisá-lo, mas depende do calendário da Superliga também. Provavelmente ele ou o Zé Elias (preparador físico) devem vir para a Rússia. Acho importante porque essa proximidade ajuda a manter o foco. Fiquei com o Zé Roberto um mês e meio antes de vir para a Rússia e já pude trabalhar o que ele quer para mim para o ano que vem. Nunca treinei tanto passe como nessas semanas com o Zé. Estavam lá o Fernandinho, o fisio do Barueri e da Seleção, o Alexandre que é braço do Barueri e também da Seleção… Pude conversar bastante com o Zé também. Foi bom para a gente meio que traçar uns planos para o ano que vem. Individualmente acho que foi muito válido.

Acha que o adiamento olímpico foi bom para o Brasil? O Zé sempre falou que lamentava não ter conseguido juntar você, Gabi e Natália neste ciclo olímpico.

Acho que pode até ser. Pode ajudar a gente sim. 2017, 2018 e 2019 foram muito complicados pra gente. No primeiro ano, a Gabi estava machucada, só participou no finalzinho. No segundo ano, eu estava com problema no joelho. No terceiro ano a Tandara estava machucada. Então a gente não conseguiu colocar realmente o time para jogar. Algumas jogadoras tentaram retornar, como a Dani Lins, a Thaísa, que voltou de uma cirurgia no joelho… E hoje você vê uma Thaísa, que na minha opinião foi a MVP da temporada passada, e é uma jogadora que vai ajudar a gente demais. Acredito que ela vai chegar ainda melhor em 2021 pra Tóquio. Então acho que o adiamento da Olimpíada nos deu mais tempo para poder firmar realmente algumas jogadoras, como eu, com as minhas lesões, para tentar fazer uma boa temporada na Rússia, firmar o meu joelho, a própria Gabizinha fazer uma boa temporada no Vakif… Temos algumas posições ainda para definir, mas acredito que pra gente vai ser bom sim. Vejo a Seleção, no ano que vem, com mais chance de brigar por medalha.

Você tem falado com as jogadoras?

Estou tentando unir a galera, ligando para algumas jogadoras, como capitã, chamando para a gente chegar melhor nessa temporada, para a gente correr atrás do prejuízo e chegar ainda melhor na temporada 2020/2021.

Você também participa das conversas com as jogadoras mais velhas, que ainda não sabem se seguem disponíveis para a Seleção?

Eu sou muito próxima da Sheilla e da Fabizona, que são jogadoras que estavam querendo voltar. Mas não sei ainda. Essas conversas eu prefiro deixar mais para o Zé, porque as meninas estão num momento meio que diferente da vida delas. A Sheilla está com duas filhas… Vai estar um ano mais velha, mesma coisa a Fabiana… Duas jogadoras estão querendo engravidar… Um ano a mais muda muito na vida de uma mulher. Então essa história eu prefiro deixar para o Zé e elas também que façam a melhor opção tanto na vida profissional e pessoal. É uma decisão complicada. Se trata de filho, né? Espero que a gente possa ir com o time mais forte possível.

Falando em filhos, já falou com a Carli Lloyd após o anúncio da gravidez?

Não falei, mas fiquei chocada (risos). Neste início deve ter muita gente a procurando. Vou esperar. Espero que ela seja feliz e que o bebê venha com muita saúde. É uma jogadora muito do bem, muito querida. Espero que ela seja muito feliz.

Natália
Encontro com Carli Lloyd na VNL. Elas também foram companheiras no Eczacibasi (Divulgação FIVB)

Você sonha com maternidade?

Coloco a médio prazo. Quero muito formar uma família. Hoje estou muito focada na minha carreira ainda. Quero muito ser mãe, mas não tenho nem como me programar. Estou ainda solteira. Mas fico pensando: vou deixar para engravidar mais pra frente, parar e voltar ou engravidar depois que parar de jogar? São decisões que querendo ou não são difíceis para uma atleta. Ter filho com 35 anos, parar para depois voltar vai ser mais difícil. Essa parte pra mulher é muito complicada. Ou eu poderia ter filho daqui a um ano e meio, mas também não sei com quem, não tenho namorado (risadas). Essa parte da minha vida está uma incógnita, então prefiro deixar as coisas acontecerem. Não tenho pressa. Vou deixar para o destino decidir. Estou bem focada na minha carreira ainda, quero aproveitar bastante os últimos anos que eu ainda tenho, porque eu sei que é um tempo que não volta mais. Tem Olimpíada ano que vem. Filho vou deixar mais pra frente.

Como vem sendo a preocupação com o coronavírus aí na Rússia?

Eu ainda não consegui sair quase pra nada. A última vez foi no jantar com os brasileiros. Nas duas primeiras semanas eu meio que cumpri uma quarentena. Ainda não conheci nada de Moscou. Mas eu vejo que já tem muita gente andando sem máscara na rua. O pessoal do clube proibiu a gente de andar de metrô em Moscou. O transporte público funciona bem. O trânsito em Moscou é bizarro, um absurdo. Um caminho que você faz em 15 minutos às vezes demora duas horas dependendo do horário do dia. Então eu estou saindo do treino pra casa e da casa para o treino, no máximo indo ao mercado. Mas eu também ainda estou sentindo o peso do fuso, não sou mais novinha (risos). Estou usando o tempo mesmo para descansar fisicamente. Estou mais em casa o tempo inteiro.

Conhece o inverno russo?

Só conheço por foto. As pessoas falaram que no ano passado o inverno nem foi tão rigoroso. Mas estou preparada. Eu sou uma pessoa muito calorenta. Não sei estou preparada para os menos 15 que falam que faz aqui. Mas vamos ver. Eu gosto de frio.

Para encerrar. O que a Natália de Londres-2012 levou para a Rio-2016? E o que levará da Rio-2016 para Tóquio-2021?

Vamos lá. De 2012 para 2016, depois de todas essas lesões que eu tive, aprendi demais. Primeiro foi a canela (tumor) em 2012. Foi um clique que deu na minha vida, de que a gente não sabe como vai ser o dia de amanhã. Os médicos me alertaram que talvez eu não voltasse a jogar como antes. Foi quando eu passei a dar mais valor ao meu corpo. Em 2016 eu já era outra jogadora, mais experiente, me cuidando muito mais. Eu já tinha 27 anos, com outra cabeça. E, agora, nos últimos dois, três anos, sou um outra pessoa. Estou me cuidando absurdamente. Se eu pudesse ter essa cabeça antes… O cuidado que eu tenho hoje é outro. Faz tempo que eu não me cuidava tanto e eu estou me sentindo muito bem. Cada ano, cada pessoa que você conhece, no Brasil, na Turquia, vão moldando sua personalidade. Estou muito mais madura. A maturidade chegou no momento certo. Isso vai me ajudar muito em Tóquio. Eu sempre fui meio cabeça dura para muita coisa e hoje eu consigo ver as coisas com outros olhos. As lesões que eu tive foram um aprendizado. Às vezes se essas coisas não tivessem acontecido, eu não teria essa cabeça de hoje. Eu não questiono. Se Deus quis é porque era para ser assim, então é aprendizado. Eu passo para as pessoas a minha experiência. É aprendizado, evolução.

Por Daniel Bortoletto

Veja também

Após bolada em treino, atleta do Civitanova será operado

O Civitanova terá um desfalque neste início de temporada. O meio de rede Enrico Diamantini…