Mercado
Home Destaques Colômbia cria Superliga com modelo universitário
Destaques - Internacional - 27 de novembro de 2020

Colômbia cria Superliga com modelo universitário

Técnico da Seleção Feminina da Colômbia, vice-campeã pan-americana ano passado em Lima, no Peru, o brasileiro Antônio Rizola, foi um dos idealizadores da primeira Superliga Feminina de Vôlei da história do país. A competição começou na quinta-feira, com a participação de 10 equipes e um modelo interessante: universitário.

Os clubes tiveram de se associar às universidades para tentar minimizar um problema antigo do vôlei colombiano: Muitas jogadoras, quando chegavam se aproximavam da idade adulta, migravam para outros país – a maioria para os Estados Unidos – para pode continuar a estudar e a jogar vôlei, já que a Colômbia não tinha uma competição nacional organizada. Agora, as atletas recebem bolsa de estudo para defender a universidade e podem continuar estudando e jogando no país.

– Conseguimos criar uma Superliga na Colômbia – comemorou Rizola, em conversa ao site do Web Vôlei. – A gente vinculou os clubes às universidades. Todos os clubes tiveram de fazer um vínculo com as universidades e dar bolsa de estudos para as jogadoras. É uma forma de manter as jogadoras na Colômbia não só jogando, mas também estudando. A gente perdeu muitas atletas, jovens de 17, 18 anos, que foram estudar nos Estados Unidos. Isso vai melhorar o nível da competição no país e dar a oportunidade de as atletas estudarem e jogarem na Colômbia – completou o treinador brasileiro.

Por causa da pandemia, a primeira competição nacional do país será disputada no sistema de “bolha”.

– Vamos fazer em sistema de bolha. As 10 equipes estão em Bogotá. Jogam do dia 26 de novembro até 8 de dezembro, sendo cinco partidas por dia e uma transmitida pela televisão. As outras partidas serão transmitidas pelo Facebook da Federação, com placar, logomarca, bem organizado. Foi a maneira de viabilizar. O Ministério do Esporte está financiando tudo neste primeiro ano, pagando transporte, hospedagem, teste de Covid… Todos os árbitros, jogadores, todas as equipes estão hospedadas em um hotel em Bogotá. São 12 atletas por equipe e três integrantes da comissão técnica – explicou Rizola.

A líbero Camila Gómez, da Seleção Colombiana, e que agora está defendendo o Sesc RJ Flamengo, foi uma das que estava estudando na NCAA – Liga Universitária de Vôlei nos Estados Unidos – para poder dar continuidade aos estudos e ao mesmo tempo jogar.

Veja também

Com 11 casos de covid, Osasco faz “treino virtual”

O Osasco/São Cristóvão Saúde confirmou hoje mais três novos casos de coronavírus, fazendo …