Ágatha
Home Praia Mais uma final com as duplas olímpicas do Brasil
Praia - 7 de novembro de 2020

Mais uma final com as duplas olímpicas do Brasil

O ouro da terceira etapa do Circuito Brasileiro de Vôlei de Praia 20/21 no naipe feminino será decidido em uma partida com ares olímpicos. As duas duplas classificadas para representarem o Brasil nos Jogos de Tóquio garantiram neste sábado vaga na grande final do evento que mais uma vez acontece no Centro de Desenvolvimento de Voleibol, em Saquarema (RJ). Ana Patrícia/Rebecca (MG/CE) e Ágatha/Duda (PR/SE) venceram os jogos semifinais e medirão forças pelo título.

A disputa final acontece na manhã deste domingo, por volta das 10h (de Brasília), com transmissão exclusiva do canal SporTV 3. Antes, às 9h, Talita/Carol Solberg (AL/RJ) e Tainá/Victoria (SE/MS), superadas nas semifinais, se enfrentam valendo a medalha de bronze, em partida que também será televisionada pelo canal campeão.

A primeira semifinal da noite foi vencida pelas atuais campeãs brasileiras Ana Patrícia/Rebecca. Elas superaram Talita e Carol Solberg por 2 sets a 0 (21/18 e 21/16). Depois de terminarem em quarto na etapa anterior, a dupla olímpica formada pela mineira e pela cearense volta a decidir uma etapa open. Ana Patrícia celebrou o retorno a uma decisão.

– É sempre muito bom conseguir alcançar uma final. Valoriza o trabalho que estamos fazendo, ainda mais quando saímos com um bom resultado de um jogo duríssimo, como sempre é contra a Talita e a Carol Solberg. A gente está evoluindo, no caminho certo e vamos focar agora na próxima partida, que vale o título do torneio – disse Ana Patrícia.

Rebecca e Ana Patrícia (William Lucas/Inovafoto/CBV)

Na outra partida das semifinais um duelo caseiro. Ágatha e Duda enfrentaram Tainá e Victoria, dupla treinada por Cida Lisboa, mãe de Duda. Apesar da amizade fora de quadra, dentro das quatro linhas Ágatha e Duda impuseram o ritmo e venceram por 2 sets a 0 (21/17 e 21/13). A paranaense destacou a façanha de chegar à final pela terceira vez em três etapa realizadas.

– O fato de conhecermos muito uma a outra faz com que o jogo sempre seja bom de jogar. Temos que fazer algo diferente. Estamos felizes de fazermos a terceira final seguida. Estamos trabalhando muito e alcançar esse resultado dá uma sensação de merecimento. Estamos bem felizes, pois mostra que no nosso comprometimento está compensando – contou Ágatha.

Veja também

Macris desabafa sobre novo piso: “É rir pra não chorar”

A levantadora Macris, do Itambé/Minas, não escondeu a insatisfação com o novo piso utiliza…