Amanda
Home Superliga Amanda valoriza G4 após turno “conturbado”
Superliga - 8 de janeiro de 2021

Amanda valoriza G4 após turno “conturbado”

Sesc RJ Flamengo recebe o Fluminense nesta sexta-feira

Com 21 pontos, um jogo a menos e na quinta posição da tabela de classificação da Superliga feminina, o Sesc RJ Flamengo tem a oportunidade de fechar o primeiro turno da competição no G4 nesta sexta-feira. O time comandado pelo técnico Bernardinho receberá o Fluminense, às 19h, no ginásio Hélio Maurício, na Gávea, em confronto adiado da quinta rodada, e precisa do triunfo para chegar ao quarto lugar. O SporTV transmite a partida.

Mesmo passando por muitos problemas de lesão e casos de COVID-19 ao longo da competição, o Sesc RJ Flamengo conseguiu viver bons momentos. Justamente por isso chega ao seu último jogo do primeiro turno com a possibilidade de estar entre os quatro primeiros.

– Tivemos um início de temporada difícil, com muitas baixas. Jogamos praticamente com desfalques em quase todos os jogos e ter a possibilidade de terminar o turno entre os quatro primeiros é muito importante. Estamos trabalhando duro para alcançar isso – disse a capitã Amanda.

E quis o calendário, e os adiamentos de partidas, que o Fluminense fosse o adversário do último confronto de turno do Sesc RJ Flamengo. As equipes já se enfrentaram muito nesta temporada, pelo Carioca, Super Vôlei, e sabem o que esperar do outro lado. Portanto, é preciso cuidado, apesar do Tricolor ter sofrido com maus resultados nas últimas rodadas.

– O Fluminense é uma equipe que está em busca um bom resultado, com atletas experientes e jovens talentosas, que buscam seus espaço. Precisamos estar muito focadas, atentas e trabalhar duro para fazer um bom jogo. Toda a partida é uma final para nós. Estamos encarando desta maneira, estudando muito e treinando bastante para atingir esse primeiro objetivo – analisou Amanda.

Ainda mostrando muita inconstância, o Sesc RJ Flamengo espera ter um desempenho melhor no segundo turno da Superliga.

– Como falei, tivemos muitas baixas. E isso não afeta o time apenas nos jogos. Antes de tudo, dificulta o treinamento. Tivemos o time um pouco descaracterizado neste primeiro turno, mas agora precisamos buscar consistência, ganhar ritmo todas juntas e ter o máximo de equilíbrio possível. Só assim conseguiremos avançar com qualidade. Normalmente isso acontece gradualmente no início da temporada, mas como tivemos um ano atípico, é preciso ter mais paciência – finalizou Amanda.

Veja também

Superliga Feminina tem nova líder na pontuação

Depois da partida entre Brasília e São Caetano, terça-feira, em jogo atrasado, válido pela…