Drussyla
Home Superliga Drussyla: “Tem um ano que faço tratamento para depressão”
Superliga - 6 de janeiro de 2021

Drussyla: “Tem um ano que faço tratamento para depressão”

Afastada do Sesc RJ Flamengo temporariamente, para se recondicionar fisicamente – ela nem ficou entre as 12 relacionadas para a primeira partida do ano do time carioca na Superliga Feminina 2020/21, segunda-feira, na derrota por 3 a 2 para o Sesi Bauru -, a ponteira Drussyla se pronunciou, nesta quarta-feira, nas suas redes sociais, pela primeira vez e revelou estar em tratamento contra a depressão.

Havia boatos de que ela teria sido demitida do Sesc RJ, de que já estava em negociação com outros clubes do Brasil e até que pararia de jogar vôlei. Os rumores aumentaram depois que a atleta apagou a biografia do seu perfil no Instagram, na qual constava que era atleta do Sesc RJ Flamengo.

Drussyla, 24 anos, passou os dois últimos anos lutando contra lesões e polêmicas extra-quadra. Uma das maiores promessas recentes do vôlei brasileiro, era nome cotado para Tóquio-2020 no início do ciclo olímpico, mas agora deixou claro que se recuperar mental e fisicamente é a prioridade na sua carreira. Criada nas categorias de base do Fluminense e no Sesc RJ desde 2015, é bicampeã da Superliga com o time de Bernardinho, tricampeã Sul-Americana de Clubes, MVP do Sul-Americano Juvenil 2014, um dos destaques da Seleção Brasileira Sub-23, Campeã Mundial em 2017. No mesmo ano, teve sua primeira convocação para a Seleção adulta e despontava como destaque no novo ciclo olímpico para Tóquio-2020.

Drussyla usou as redes sociais para se pronunciar para acabar com as “fofocas”. Disse que não vai parar de jogar vôlei, nem sair do Sesc e que ama o que faz. Revelou que tem feito tratamento para depressão e ansiedade há um ano, disse que 2020 foi difícil, mas também um ano de muito aprendizado. E pediu para ser respeitada por expor suas opiniões publicamente. Veja, abaixo, alguns trechos do vídeo de 9minutos30segundos publicado pela jogadora no Instagram:

Explicação

Nesses últimos tempos tem muita gente falando de mim. Eu gostaria muito de dar uma explicação para as pessoas que me seguem e que querem o meu bem, os meus amigos que me acompanham por aqui. E decidi falar. Eu tomei essa decisão de vir aqui, por mais que tenham pessoas perto de mim que não gostem, uma das coisas que eu aprendi em 2020 e que eu tenho aprendido na terapia que eu tenho de resolver os meus problemas e as pessoas que resolvam os delas. A decisão que eu tomei para mim de me expor mais, de dar o meu ponto de vista sobre as coisas que eu vivi e falar das minhas experiências é minha. Eu gosto e compartilhar. Tem gente que fala bem e tem gente que fala mal. Eu sei diferenciar o que é bom e o que não é bom pra mim, de pessoas próximas e de pessoas que não são próximas.

Exposição nas redes sociais

Vou postar sobre a minha vida. É o meu Instagram, eu decido o que eu vou falar. É a Drussyla de verdade, a Drussyla que é assim com a mãe, com o amigo, com o papagaio. Sou assim com todo mundo. Você não vão ver nada fake, nada programado para agradar quem está assistindo. Essa sou eu. Se você gosta de mim, vai gostar do jeito que eu sou. Eu gosto de postar a minha rotina e não vou deixar de fazer isso por conta dos outros, por conta do que acontece no meu trabalho, pelo que as pessoas falam do meu trabalho. Isso é uma parte da minha vida, mas não é completamente a minha vida. Eu amo o que eu faço.

Segue no vôlei

A propósito, gente, eu não vou parar de jogar vôlei, pelo amor de Deus, é o que eu amo, é o que Deus decidiu que eu iria fazer na minha vida e eu quero me entregar 100% para isso. Só que, assim como todas as fases da vida… Tem momentos que a gente… Eu passei dos anos machucada. 2020 foi um ano de extremo aprendizado para mim. E eu queria muito falar tudo o que aconteceu, mas não é o momento. Querendo ou não, tenho de ter discernimento. Essa temporada ainda não acabou, tem muita coisa delicada que aconteceu nessa temporada que vai servir para a minha vida. Tem pessoas que eu me afastei, tem pessoas que eu me aproximei, tem pessoas que eu pensava que era uma coisa e não são. E o problema está em mim por ter idealizado essa pessoa, por ter um pré-conceito.

Terapia

Essa maturidade eu estou aprendendo na terapia. Tem um ano que eu faço tratamento para depressão e ansiedade. Tomo os meus remédios, aprendo a lidar com as minhas impulsividades. Já passei por tanta coisa que eu gostaria compartilhar, mas precisaria de uma estrutura maior para saber dessa parte da minha vida a ajudar muita gente a não desistir dos seus sonhos e dos seus propósitos.

Amadurecimento

Eu não gosto desse disse-me-disse, as pessoas falam o que querem de mim, ninguém sabe da minha vida, tem pessoas que se preocupam, mas tem pessoas que só querem saber da fofoca… Eu excluí muita gente do meu Instagram. Precisei fazer isso pelo meu autoconhecimento. Excluí coisas que não fazem bem para a minha cabeça, que não condizem com o que estou vivendo atualmente. Estou seguindo a minha vida limpando aqui, me decepcionando com pessoas que eu amo ali, mas faz parte. Tenho amadurecido muito.

Segue no Sesc RJ Flamengo

Eu estou no Sesc, não fui demitida nem nada. Antes de começar a temporada, eu criei objetivos para mim como atleta, porque eu acredito que sou uma boa jogadora, mas do jeito que as coisas vinham vindo, conforme as minhas lesões, eu acho que eu precisava dar um passo maior, aproveitando que eu estou bem fisicamente e mentalmente e me colocar um objetivo. E eu sei que posso chegar nesse objetivo.

Força espiritual

Como o ano de 2020 foi um ano muito turbulento para mim, eu tenho amadurecido bastante, acredito que as coisas estão acontecendo no tempo certo. Eu entreguei a minha vida para Jesus novamente, que eu tinha me desviado, mas estou buscando estar mais conectada com ele, e entreguei a minha vida novamente para descansar, porque a minha vida estava numa correria absurda, eu não estava conseguindo administrar os meus sentimentos. Está tudo no momento certo. Não preciso mais correr para nada, não preciso mais atingir o que as pessoas queriam para mim. Eu sou uma pessoa que sofria muito em querer agradar os outros e não me agradar.

Gratidão

Esse ano tem sido um ano de autoconhecimento grandioso. Não vou deixar de jogar vôlei. Estamos aí. Vamos seguir, eu vou seguir em frente, com os meus objetivos, no tempo certo, sem pressa. Já corri demais. Hoje em dia estou feliz demais com as coisas que estão acontecendo comigo Sou muito grata a Deus por poder estar essa oportunidade de poder estar aqui falando com vocês. Falar sobre as minhas experiências nesse mundão do vôlei, em que pouca gente se expõe. Cada um faz o que gosta. Eu gosto e gostaria de não ser criticada por isso. Não vou falar nada vazio para vocês. Tudo o que eu falo são coisas que eu realmente vivi, e como fui eu que vivi, ninguém tem de achar se é certo ou errado. Acho que cada um toma conta da sua vida. E se eu decidir postar as coisas aqui, maravilha. Gostaria de ser respeitada por isso. Beijo, Paz.

Veja também

Brasília derrota Pinhais e entra no G8

O Brasília derrotou o São José dos Pinhais por 3 sets a 2, de virada – parciais de 2…