Fronckowiak
Home Destaques Após vencer favorito, Fronckowiak relembra passagem com o pai
Destaques - Internacional - 28 de fevereiro de 2021

Após vencer favorito, Fronckowiak relembra passagem com o pai

Cuprum Lubin derrotou o poderoso Zaksa Kedzierzyn-Kozle

O técnico brasileiro Marcelo Fronckowiak postou, nas redes sociais, uma bela lembrança do início da carreira, ao lado do pai, após uma das maiores surpresas  do atual Campeonato Polonês, neste sábado. O Cuprum Lubin, dirigido por ele, superou o Zaksa Kedzierzyn-Kozle, fora de casa, por 3 sets a 2, parciais de 20-25, 21-25, 25-20, 25-23 e 15-11.

O Zaksa vinha de vitória sobre o poderoso Civitanova, da Itália, sobre a Champions League, e ocupa a liderança da PlusLiga, com 67 pontos e tinha apenas duas derrotas em 24 jogos até então. Já é o Lubin é o décimo colocado.

Veja abaixo o texto de Fronckowiak:

“Hoje o meu desafio era gigante! Minha equipe, Cuprum Lubin, enfrentaria o Zaksa, a equipe mais vitoriosa da história recente do voleibol masculino polonês. Tenho o hábito de fazer preleções curtas no vestiário antes das partidas. Já havíamos estudado a adversário, analisado nossos números, assistido inúmeros videos, havíamos trabalhado muito bem! Nestes momentos pré-jogo, tento lembrar aos meus jogadores os pequenos detalhes técnicos-táticos e também, com frequência, conto muitas histórias. Parábolas da vida, fatos do esporte, relembro os caminhos e as lutas da própria equipe, falo dos sacrifícios inerentes ao esporte de rendimento e a construção do espírito de equipe, tento colocar meus jogadores no cenário que encontraremos ao sair do vestiário. O jogo de hoje era uma armadilha grande para o nosso adversário! O Zaksa acabou de ganhar o primeiro jogo das quartas de final da Liga dos Campeões da Europa, contra a forte Lube Civitanova, da Itália. e joga, na próxima semana, o segundo jogo que poderá representar uma qualificação para o Final Four desta prestigiosa liga. Natural que estivessem focados neste objetivo maior, além da preocupação de uma lesão de algum jogador. Natural que pensassem em mesclar o grupo e preservar alguns jogadores! E isto aconteceu! O Zaksa começou com 5 jogadores titulares e foi mudando a equipe ao decorrer da partida! Mas, sinceramente, eu não tinha nada a ver com aquilo ! Eu queria mostrar o valor do meu grupo mesmo se eles jogassem com os juvenis! Após 2×0 pra eles me veio mais uma vez a história que eu havia preparado no vestiário:

Quando eu tinha 15 anos, debutava minha vida de jogador de voleibol nos campeonatos regionais no Rio Grande do Sul. A Sogipa, minha equipe, enfrentava um adversário de peso, que era a Sociedade Ginástica de Novo Hamburgo. Após perdermos (tremendo de medo) contra eles em casa, no primeiro hexagonal final, chegamos ao último jogo do segundo hexagonal com a mesma Ginástica, na casa deles, com o campeonato definido! Já éramos vice e eles eram campeões! Neste momento entra a figura do meu pai, Roberto Fronckowiak. Quem conheceu o velho Roberto sabe que ele era um torcedor muito apaixonado e aguerrido. Pois bem, na tal última partida deste campeonato o que estava em jogo para nós da Sogipa não era o título: era a possibilidade de construirmos algo para o nosso futuro, fosse no âmbito esportivo, fosse no âmbito da vida! Era vencer nossos medos de guris! Ganhávamos bem o primeiro set, mas acabamos entregando. Quando voltávamos a entregar o segundo set o então torcedor-amigo-motivador, o “seu” Roberto, abandonou a pedagogia da passação de mão na cabeça e começou a nos insultar! Mexeu com nossos jovens brios de futuros atletas, homens, pais, parceiros. Falava que tínhamos medo de perder e que, pior, perdíamos para nós mesmos. Ele nos instigava a cada ponto e repetia:

– Vocês trabalharam forte, treinaram duro, acreditem! Vocês podem!

Enfim, abandonamos nossos medos, ganhamos o jogo! Corremos todos em direção ao velho para abraçá-lo ao final daquele vice campeonato da vida! Contei esta história aos meus jogadores hoje! Teríamos a nossa chance, eu tinha certeza! Nesta semana, se estivesse vivo, o velho teria comemorado 79 anos! Se estivesse vivo estaria muito honrado em saber que o time do filho dele, na terra dos seus ancestrais polacos, o time do seu filho venceu o poderoso Zaksa! Saudades, pai! Aprendi a lição!”

Veja também

Taubaté busca acertar atrasados antes de anunciar reforços

Campeão da Superliga masculina 2020/2021, o EMS/Taubaté passará por uma grande reformulaçã…