Carol
Home Superliga Luizomar sobre Carol: “Não poderíamos deixar momento passar em branco”
Superliga - 24 de fevereiro de 2021

Luizomar sobre Carol: “Não poderíamos deixar momento passar em branco”

Jogadora será homenageada no jogo entre Osasco e São Caetano

O Osasco São Cristóvão Saúde oficializou, nesta quarta-feira, a homenagem para Carol Albuquerque, neste sábado, às 19h, no duelo com o São Caetano, pela penúltima rodada do returno da Superliga 20/21, como revelado ontem pelo Web Vôlei. O técnico Luizomar de Moura explicou o motivo de ter convidado a levantadora para se despedir do esporte em um jogo oficial.

– A Carol é uma jogadora muito identificada com Osasco e uma pessoa muito bacana. Tive o prazer e a honra de ser seu treinador durante muitas temporadas e sei o quanto ela gosta do nosso clube e da nossa cidade. Nós não poderíamos deixar esse momento de encerramento de sua carreira como atleta passar em branco e estamos muito felizes em poder proporcionar esse momento para ela – comentou Luizomar.

Carol joga vôlei desde os nove anos de idade. Começou na escolinha em Porto Alegre, sua cidade natal. Aos 16 chegou a São Paulo cheia de sonhos. Dois anos depois, disputava a primeira Superliga. Em 27 anos de carreira esportiva, a levantadora construiu uma história que inclui uma medalha de ouro olímpica e dois títulos nacionais.

A partida deste sábado pode ser considerada como a quinta passagem de Carol Albuquerque em Osasco. Sua história com o clube começou na temporada 2000/01 e durou dois anos. No retorno, a levantadora participou da conquista da Superliga em 2004/05, seu primeiro título nacional, e renovou para o ciclo 2005/06. A terceira passagem foi a mais longa, da temporada 2007/08 a 2010/11, com direito ao segundo título nacional, na Superliga 2009/10. A última passagem foi entre 2016/17 e 20017/18, quando seguiu para jogar no exterior.

Além de duas Superligas, Carol conquistou uma Copa Brasil, dois Sul-Americanos e cinco títulos do Campeonato Paulista. Entre os principais momentos de suas passagens pela equipe osasquense, está o fato de, como capitã, ter levantado a taça de campeã da Superliga 2009/10, quando o Sollys/Nestlé derrotou o Rexona-Ades, no ginásio do Ibirapuera, por 3 sets a 2. Ainda em 2010, ela foi eleita a melhor levantadora do Sul-Americano de Clubes (campeã) e do Mundial de Clubes (vice-campeã).

Veja também

Taubaté busca acertar atrasados antes de anunciar reforços

Campeão da Superliga masculina 2020/2021, o EMS/Taubaté passará por uma grande reformulaçã…