Lucarelli
Home Vaivém Lucarelli: “O meu começo na Itália foi traumático”
Vaivém - 8 de julho de 2021

Lucarelli: “O meu começo na Itália foi traumático”

O campeão olímpico falou sobre a estreia na Itália e a transferência para Civitanova

Anunciado pelo Civitanova nesta quarta-feira, o ponteiro brasileiro Lucarelli concedeu a primeira entrevista ao novo clube. Ele contou como foi difícil a temporada de estreia na Itália pelo Trentino, principalmente por conta das questões pessoais, e admitiu que um namoro antigo pesou para a transferência para a nova equipe.

Em Civitanova, ele será o substituto de Leal e dará continuidade ao “legado” brasileiro. O projeto, antes chamado de Macerata, já contou com craques como Nalbert, Maurício, Ricardinho, Rodrigão e Bruninho, entre outros.

Na temporada 2021/2022, o campeão olímpico terá uma constelação de astros ao seu lado: o levantador De Cecco, o oposto Zaytsev, o ponteiro Juantorena e o central Simon.

Confira a íntegra da entrevista de Lucarelli:

Como foi seu primeiro ano na Itália?
O balanço é positivo porque depois de um início difícil consegui me adaptar à Superliga, um campeonato do mais alto nível. O começo foi traumático. Pela primeira vez, estava enfrentando um torneio sem preparação e não me sentia bem. A falta de meu país foi sentida, a impossibilidade de viajar devido ao risco de covid acentuou o desconforto inicial. Quando perdi meu pai não pude abraçar minha família não foi fácil.

Você também recebeu outras ofertas na janela de transferência?
Recebi uma oferta econômica maior, mas queria o Civitanova por três motivos: o clube já havia me procurado concretamente há quatro anos, tanto que o diretor Beppe Cormio tinha vindo falar comigo no Brasil, mas naquele momento eu não estava pronto. No entanto, um bom relacionamento foi criado. Quando minha aventura com Trento chegou ao fim, disse que iria para Civitanova e minha palavra conta muito para mim. Então, me parece óbvio, qualquer atleta gostaria de jogar em um time de campeões.

Será que Civitanova é o lugar certo para se sentir em casa?
Vou morar em uma cidade ensolarada, com uma praia muito bonita. Antes de ir para Trento eu havia estudado um pouco de italiano, mas agora me expresso muito melhor e com certeza estarei à vontade até para uma volta à vida normal graças às vacinas. Estou ansioso para ver o Eurosuole colorido em vermelho e branco.

Você já conhece seus novos companheiros de time?
A fama os precede. Sinto-me sortudo por ingressar em um grupo que tanto já ganhou. No Brasil enfrentei o Simon, um atleta que respeito muito. Já o Juantorena foi realmente uma fonte de inspiração para mim.

Você vai aproveitar o legado deixado pelo Leal.
Yoandy foi excepcional em Civitanova, fez coisas inesquecíveis e é certo que os fãs sempre se lembrarão dele. Quero dar o máximo apoio ao grupo em todos os aspectos e me aprimorar dia após dia.

Os torcedores então podem voltar a dormir em paz?
Os objetivos do clube se tornarão os meus objetivos. Vou sempre dar o meu melhor para que a equipe continue lutando em todas as frentes.

O que o impressionou você ao enfrentar Civitanova, Lucarelli?
Fiquei impressionado com a agressividade em quadra, tanto no ataque quanto no saque. É uma equipe bem organizada e dominante.

Veja também

Circuito Brasileiro: novas duplas femininas estreiam bem

A Escola de Educação Física do Exército (EsEFEx), no Rio de Janeiro (RJ), foi o palco de e…