Douglas Souza
Home Fora de Quadra Douglas Souza, sobre BBB: “Se receber convite, eu vou”
Fora de Quadra - Seleção Brasileira - 4 de outubro de 2021

Douglas Souza, sobre BBB: “Se receber convite, eu vou”

Em entrevista ao Portal IG, Douglas Souza falou sobre sua experiência como influencer e gamer

Em entrevista ao Portal IG, publicada no último domingo (03.10), o ponteiro Douglas Souza, 26 anos, disse que, se fosse convidado a participar do reality show Big Brother Brasil, participaria sem pensar duas vezes. O problema é que o reality show da Globo começa em  janeiro e vai até abril, normalmente, o que coincidiria com a temporada de clubes no vôlei.

– Não tem impasse, na verdade. Eu sempre falei que sou um fã de reality show e amo ‘Big Brother’. Assisti quase todas as edições. Com certeza, se o convite fosse real, eu iria, sem sombra de dúvidas. Zero problemas com isso. E depois eu veria o que iria acontecer. Não sou o tipo de pessoa que fica pensando muito no futuro “ah, e depois?”. Não. Eu penso no agora. Se receber o convite agora, vou e é isso. Acho que funciona assim. Não posso ter medo de arriscar e ser feliz. Se é o que quero, é minha vontade, com certeza eu faço – disse Douglas Souza, que se prepara para o início da temporada  italiana no seu novo clube, o Vibo Valentia, onde jogar ao lado de outros dois brasileiros: o ponteiro Maurício Borges e o central Flávio.

O ponteiro disse que não chegou a sofrer preconceito pesado no meio do vôlei como o ex-central Michel sofreu anos atrás, nem como Tifanny, a primeira trans a disputar a Superliga:

– Eu acho que comigo foi diferente e está sendo diferente porque o mundo veio evoluindo bastante. Não na velocidade que gostaríamos, mas a parte boa é que vem evoluindo sim e a tendência é ir disso para melhor. As pessoas hoje em dia estão mais abertas, mais conscientes dos atos delas, principalmente com relação ao preconceito. Acho que por isso que comigo foi diferente a reação das pessoas – disse.

Douglas Souza falou sobre a sua carreira paralela como youtuber, gamer e streamer:

– Hoje em dia, antes mesmo de ter acontecido esse ‘boom’, já tenho outra carreira: sou streamer e youtuber. Agora que aconteceu tudo isso na Vila Olímpica, de eu ter essa quantidade de seguidores e engajamento, sou também um influencer, então são várias carreiras em uma pessoa só. Não é só o jogador de vôlei. Mas a gente vai conciliar isso muito bem. Minha equipe tem ajudado muito. Principalmente quando estiver em época de campeonato, ela vai me permitir ter foco total nas competições, e me ajudar a organizar melhor com tudo. Acredito que vai funcionar de uma maneira bem legal e agradável para todo mundo. Posso conciliar minha carreira como jogador de vôlei, influencer, youtuber e streamer. Eu amo tudo isso. Não gosto de ser só uma coisa. Não gosto de ser colocado dentro de uma caixinha e faço muito bem isso, de sair da caixa. Acho que é um ponto forte meu. Então, tenho um medo muito grande de que as pessoas fiquem colocando rótulos em você.

O ponteiro listou qual foi o pior e o melhor momento da sua carreira:

– O melhor momento de minha carreira, sem sombra de dúvidas, esse ano de 2021. Porque até o final de 2020, estava sofrendo muito com lesões. Desde que voltamos da pandemia, fiquei cinco messes dentro de casa, sem fazer nada, sem poder treinar e quando voltei, em 2020, meu corpo estava sentindo muito, principalmente a parte física, por ter ficado todo esse tempo parado. Aí, em 2021, eu ainda era uma dúvida para as Olimpíadas, mas consegui, com muito treino e disciplina, chegar até as Olimpíadas. Estava vivendo um momento muito bom fisicamente, comigo mesmo, consegui ajudar meu time a ser campeão da Super Liga, na temporada 20/21. Para mim foi sensacional. E o pior momento foi no final de 2017 e começo de 2018. Não estava em um momento muito bom. Não me sentia confortável perto das pessoas que eu estava próximo. Enfim, para mim foi um momento bem delicado. Mas depois disso, foi só alegria. Ainda bem – revelou.

Douglas Souza disse que seu maior ídolo é o líbero Escadinha.

– Na vida e no esporte é o mesmo: o Serginho Escadinha. Acho que ele foi um jogador incrível. Tive o prazer de jogar com ele. Era extremamente humilde e saiu de um lugar muito difícil, com uma infância muito difícil, e conseguiu construir uma coisa muito legal com a família dele e é exatamente isso que eu quero fazer para a minha também.

 

Veja também

Projeto de aposentadoria pode usar receita de apostas

Com o crescimento das sportingbet apostas no Brasil, deputados federais têm procurado viab…