Brasil
Home Praia Brasil joga Mundial sub-21 de praia para manter hegemonia
Praia - 14 de dezembro de 2021

Brasil joga Mundial sub-21 de praia para manter hegemonia

País tem um histórico vencedor no Campeonato sub-21 de vôlei de praia

Celeiro de craques das areias, o Brasil é campeão das três últimas edições do Campeonato Mundial sub-21 de vôlei de praia, tanto no masculino quanto no feminino. Ao longo da história, já são 16 títulos. Para manter essa hegemonia, as duplas Carol Sallaberry/Mafe, Thainara/Karol, Mateus Dultra/ Gabriel Zuliani e Johann/Lucas Sampaio estão em Phuket, na Tailândia, onde uma nova edição da competição começa nesta terça-feira.

– Estamos muito confiantes para a disputa de mais esta edição do Mundial sub-21. O Brasil tem um ótimo retrospecto na categoria, e os atletas que nos representarão na Tailândia têm boa experiência em competições de alto nível, participando do Circuito Brasileiro com regularidade, além das etapas do Sub-21. Realizamos um período intenso de treinamentos no Centro de Desenvolvimento do Voleibol, em Saquarema, que foi muito produtivo. Acredito em um bom desempenho brasileiro neste Mundial – diz o gerente de vôlei de praia da CBV, Guilherme Marques.

No feminino, Thainara chega com motivação extra após a conquista do ouro nos Jogos Pan-Americanos Júnior, em Cali (COL), ao lado de Vic. Para a jogadora de 20 anos, a experiência na Colômbia será de grande valia para a disputa na Tailândia.

– Estou muito animada para entrar em quadra. Será meu primeiro Mundial de base, mas também o último, por causa da minha idade, então tenho vontade em dobro para ganhar este título. Estamos muito bem preparadas para este desafio. Já consegui vitórias importantes ao lado da minha parceira, e confiamos muito na nossa comissão técnica. A experiência que tive nos Jogos Pan-Americanos Júnior foi muito importante. Jnto com o ouro, vieram muitos aprendizados e crescimento. Pretendo demonstrar essa maturidade na Tailândia – afirma Thainara.

Na chave masculina, Mateus Dultra e Gabriel Zuliani já estão garantidos no torneio principal. Para Mateus, que faz parceria com Gabriel também no Circuito Brasileiro, representar o Brasil em um campeonato mundial é a realização de um sonho.

– Apesar de já ter representado o Brasil em duas oportunidades em competições sul-americanas, o Mundial é bem diferente. A ideia de enfrentar duplas do mundo todo me faz pensar que cheguei onde eu almejava, representando o Brasil. Este é o resultado de muito trabalho e persistência. Eu me cobro muito e ver este sonho se realizando é incrível. Valorizo demais esta oportunidade e vou dar o meu máximo em quadra para conseguir uma medalha – disse Mateus Dultra.

A primeira dupla brasileira a entrar em quadra será a formada por Johann e Lucas Sampaio, que enfrentarão Keeter/Barnes, dos Estados Unidos, por uma vaga na fase de grupos.

– Será minha segunda participação em um Campeonato Mundial. Eu joguei o sub-19 na China, em 2018, o que me dá alguma experiência. Já sei o que esperar de uma competição deste tipo. Representar o Brasil é sempre uma honra, já que somos um dos melhores países do mundo no vôlei de praia, e a concorrência é sempre grande. Muitos gostariam de estar aqui, então carrego os sonhos de vários junto comigo. Estou ansioso para entrar em quadra e dar o meu máximo, colocar em prática tudo o que trabalhamos até aqui – conta Lucas.

Brasileiros comemoram a medalha de bronze no Sub-19

Os brasileiros Nico e Samuel ainda celebram a conquista da medalha de bronze no Campeonato Mundial sub-19, também realizado em Phuket. No sábado, eles levaram a melhor sobre Panchenko/Chuprinov, da Rússia, por 2 sets a 1 (21/19, 19/21 e 15/9) e garantiram o lugar no pódio.

– Foi uma conquista sensacional. Depois de um ano inteiro nos preparando para este Mundial, sair com uma medalha é algo gratificante. Eu sou só gratidão e alegria. Espero poder voltar a vestir a camiseta do Brasil em breve, e chegar a novas conquistas – comemorou Nico.

TÍTULOS DO BRASIL NO MUNDIAL SUB-21

Masculino

2001 – França – Pedro Cunha/Anselmo
2003 – França – Pedro Cunha/Pedro Solberg
2006 – Polônia – Bruno Schmidt/Pedro Solberg
2013 – Croácia – Allison/Guto
2016 – Suíça – Arthur Lanci/George Souto
2017 – China – Adrielson/Renato
2019 – Tailândia – Rafael/Renato

Feminino

2001 – França – Shaylyn/Maria Clara
2002 – Itália – Juliana/Taiana
2004 – Portugal – Taiana/Carol
2005 – Brasil – Carol/Camillinha
2006 – Polônia – Carol/Bárbara Seixas
2007 – Itália – Lili/Bárbara Seixas
2016 – Suíça – Duda/Ana Patrícia
2017 – China – Duda/Ana Patrícia
2019 – Tailândia – Vitoria/Victoria

Veja também

Canal Vôlei Brasil exibirá jogos da Superliga B

Dois times fecharam a transmissão de suas partidas como mandantes na primeira fase da Supe…