Superliga
Home Superliga Superliga feminina 2021/2022: resumo da temporada
Superliga - 12 de maio de 2022

Superliga feminina 2021/2022: resumo da temporada

Itambé/Minas manteve a hegemonia recente na principal competição nacional

O vôlei mineiro, mais uma vez, monopolizou as finais da Superliga feminina na temporada 2021/2022, com o Itambé/Minas conquistando pela terceira vez consecutiva o título com vitória sobre o Dentil/Praia Clube, no playoff final (lembrando que em 2019/2020 a competição foi interrompida por conta da pandemia).

O troféu conquistado no Ginásio Nilson Nelson, em Brasília, foi o sétimo título de Campeonato Brasileiro para a galeria do Minas. Além das quatro Superligas (2001/02, 2018/19, 2020/21 e 2021/22), o time minastenista também foi campeão de duas edições da Taça Brasil (1964 e 1974) e campeão da Liga Nacional na temporada 1992/93.

Mas a Superliga feminina teve outros protagonistas, além das mineiras. O Sesc RJ Flamengo, por exemplo, conseguiu uma arrancada do segundo turno em diante e esteve perto de desbancar o Praia na decisão. O time de Uberlândia, por sua vez, fez a melhor campanha ao fim dos turnos. Seu primeiro revés demorou para acontecer, mérito para as Chiquititas, de José Roberto Guimarães, como mostrava a tabela Superliga feminina.

Abaixo, veja como ficou a classificação final da Superliga feminina 2021/2022, com o rebaixamento de Country Club Valinhos e Curitiba, que serão substituídos na próxima edição por Energis 8/São Caetano e Abel/Moda Brusque, além da premiação individual.

CLASSIFICAÇÃO FINAL

1º – Itambé/Minas (MG)
2º – Dentil/Praia Clube (MG)
3º – Sesi Bauru (SP)
4º – Sesc RJ Flamengo (RJ)
5º – Osasco/São Cristóvão Saúde (SP)
6º – Fluminense (RJ)
7º – Barueri (SP)
8º – Pinheiros (SP)
9º – Brasília (DF)
10º – Unilife/Maringá (PR)
11º – Country Club/Valinhos (SP)
12º – Curitiba (PR)

SELEÇÃO DA SUPERLIGA FEMININA 21/22

Craque da Galera – Carol (Dentil/Praia Clube)
MVP – Macris (Itambé/Minas)
Troféu VivaVôlei – Kisy (Itambé/Minas)
Levantadora – Macris (Itambé/Minas)
Oposto – Nia Reed (Sesi Bauru)
Ponteiras – Peña (Sesc RJ Flamengo) e Neriman Ozsoy (Itambé/Minas)
Centrais – Thaisa (Itambé/Minas) e Carol (Dentil/Praia Clube)
Líbero – Camila Brait (Osasco/São Cristóvão Saúde)
Treinador – Nicola Negro (Itambé/Minas)
Árbitro – Rogério Espicalsky (ES)

Veja também

Bernardinho e Venturini entram para o Hall da Fama

O Brasil terá mais dois representantes no Hall da Fama do vôlei. O técnico Bernardinho e a…