Quênia
Home Destaques Quênia, de olho no Mundial, faz jogo-treino com Osasco
Destaques - Internacional - 15 de julho de 2022

Quênia, de olho no Mundial, faz jogo-treino com Osasco

Seleção africana iniciou os treinamentos no Brasil no fim do mês passado

A ponte Osasco-Quênia começou a ser erguida quando o técnico Luizomar de Moura e mais cinco membros da sua comissão técnica no Osasco/São Cristóvão Saúde seguiram até a África para a reta final de preparação visando a Olimpíada de Tóquio. No Japão, os alicerces dessa estrutura ganharam uma base sólida. Agora, após a chegada das quenianas para um período de treinos no Brasil, a ligação entre os dois continentes se completa, abrindo definitivamente o caminho para o intercâmbio que visa o desenvolvimento do vôlei entre os africanos, patrocinado pelo programa piloto da FIVB Volleyball Empowerment, da Federação Internacional de Vôlei.

A seleção do Quênia chegou ao Brasil no final de junho, com 16 atletas e dois membros da comissão técnica, na preparação para o Mundial. Desde então, treina em dois períodos no ginásio José Liberatti, sob a batuta de Luizomar e sua CT. Na tarde desta sexta-feira (15/7), faz o primeiro jogo-treino contra as anfitriãs do Osasco.

O confronto desta sexta-feira será com portões fechados, mas Luizomar programa amistosos entre Quênia e Osasco com portões abertos. Será uma oportunidade de conhecer de perto as atletas africanas e também o novo elenco osasquense que se prepara para a temporada 2022/23.

– É uma alegria e uma honra receber a seleção queniana em Osasco. Desde a experiência no trabalho para a Olimpíada de Tóquio, aprendemos não só a gostar, mas respeitar o empenho, dedicação, humildade e vontade de aprender de todas elas. Isso sem contar a alegria contagiante – comenta Luizomar.

As quenianas permanecerão em Osasco por um período de cerca de três meses, na reta final de preparação para o Campeonato Mundial, entre 23 de setembro a 15 de outubro, na Holanda e na Polônia. O Quênia está no Grupo A ao lado da Holanda, da Itália, atual campeã europeia, além de Bélgica, Porto Rico e Camarões.

Além da contar com toda estrutura do ginásio José Liberatti e o intercâmbio com o Osasco São Cristóvão Saúde, a seleção queniana consegue, graças ao Programa de Capacitação de Vôlei da Federação Internacional de Vôlei (FIVB), o Volleyball Empowerment, manter a sequência do trabalho iniciado por Luizomar nos Jogos de Tóquio/21.

União

A integração com as atletas do Osasco tem sido a melhor possível, tanto dentro como fora de quadra. Recentemente, Luizomar puxou três quenianas para participar de parte do treino do time osasquense. A central Fabiana resumiu o sentimento de todos no José Liberatti em suas redes sociais:

“O esporte é tão mágico, né? Essas meninas são da seleção feminina de vôlei do Quênia. Estão treinando em Osasco e é tão bacana perceber que elas valorizam tanto a experiência que estão tendo! São meninas tão guerreiras, que treinam e amam o vôlei em situações tão adversas! Essa troca é tão importante tanto pra mim quando pra elas. Essa convivência tem sido gratificante! Aprender mais sobre a história de vida de cada uma, da luta diária que é jogar vôlei e entender que os sonhos dos outros tem que ser respeitados! Cada uma dessas meninas treina em quadras de vôlei feitas de terra! E a gana, a vontade de aprender e o amor que elas carregam a cada lição aprendida é de se admirar! Que privilégio meu poder dividir um pouco do que sei e aprender com elas sobre a vida! BEM-VINDAS MULHERES GUERREIRAS do Quênia!”, escreveu a meio de rede.

Veja também

Fluminense: aposta em elenco alto, jovem e agressivo

Primeiro campeão brasileiro de vôlei feminino, em 1976, e seis vezes campeão sul-americano…